Acessar o conteúdo principal
Airbus A320/França

80% dos destroços do avião da Germanwings são retirados do local da tragédia

Cerca de 35 toneladas de destroços foram retiradas do local da queda do Airbus A320 da Germanwings, no dia 24 de março.
Cerca de 35 toneladas de destroços foram retiradas do local da queda do Airbus A320 da Germanwings, no dia 24 de março. REUTERS/Lionel Bonaventure/Pool

A companhia aérea alemã Germanwings anunciou nesta quarta-feira (15) que 80% dos destroços do Airbus A320, que caiu nos Alpes franceses no dia 24 de março, já foram recuperados. Em uma coletiva de imprensa realizada em Digne-les-Bains, no sudeste da França, os especialistas revelaram ter recuperado 35 toneladas de material no local da queda.

Publicidade

Carsten Hernig, responsável pelas operações da Lufthansa, companhia a qual pertence a empresa lowcost Germanwings, informou que o tamanho dos destroços varia de alguns centímetros a vários metros. Eles foram recuperados em uma zona de cerca de 1,5 hectares nos Alpes franceses e transportados por helicópteros até uma área onde todo material o foi reunido. Organizados em contêineres, os destroços foram transferidos para um hangar em Seyne-les-Alpes, cidade próxima à tragédia.

Segundo o coronel Christophe Brochier, da região de Alpes-de-Haute-Provence, o hangar foi alugado pelo período de um ano. Cerca de 60 pessoas devem trabalhar durante os próximos dezoito dias na fase de identificação dos destroços, de acordo com a Lufthansa.

Despoluição do local da queda

Na etapa final dos trabalhos, também será realizada uma limpeza ambiental. "O objetivo é que a despoluição do local seja realizada da melhor forma possível", garantiu a prefeita de Alpes-de-Haute-Provence, Patricia Willaert.

A companhia alemã, que não informou o custo das operações, calcula que havia cerca de 40 toneladas de querosene no avião no momento da queda, além de 95 litros de óleo e lubrificantes. "Há técnicas para limpar a terra, a flora e a água, mas precisamos de mais informações para tomar as boas medidas", indicou Hernig.

De acordo com a Lufthansa, também há um interesse comum para a criação de um espaço de memória e respeito às vítimas e às famílias. No total, 150 pessoas morreram na queda do Airbus A320 da Germanwings, que fazia o trajeto entre Barcelona e Dusseldorf. As primeiras investigações apontam que a queda do aparelho teria sido intencionalmente provocada pelo copiloto Andreas Lubitz.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.