Acessar o conteúdo principal
França/Defesa

França vai quase dobrar exportações de armamentos em 2015

Chegada das primeiras armas e equipamentos militares franceses no Líbano. Contrato entre a França e a Arábia Saudita, em ajuda a Beirute. Entrega feita pelo Ministro da Defesa francês, Jean-Yves Le Drian (3° à dir.).
Chegada das primeiras armas e equipamentos militares franceses no Líbano. Contrato entre a França e a Arábia Saudita, em ajuda a Beirute. Entrega feita pelo Ministro da Defesa francês, Jean-Yves Le Drian (3° à dir.). REUTERS/Mohamed Azakir

A venda de vários aviões de caça Rafale é um dos principais motivos para a previsão de uma venda recorde de armas de fabricação francesa em 2015. Conflitos, especialmente no Oriente Médio, também garantem o crescimento do comércio do setor.

Publicidade

A expectativa é que a indústria armamentista francesa venda este ano € 15 bilhões, quase dobrando o valor em comparação ao ano de 2014 (€ 8,2 bilhões).

Especialistas ouvidos pelo jornal Libération relativizam os dados, lembrando que as exportações francesas de armamentos foram 30% menores entre 2010 e 2014, em relação ao período de 2005 e 2009.

No entanto, o setor registra uma alta no pedido de encomendas de armas e equipamentos a partir de 2013   (€ 6,9 bilhões). O aumento das tensões em diversas regiões do mundo é um dos fatores que explica o sucesso de vendas.

Principais clientes

Os gastos com material militar aumentaram de maneira global, especialmente no Oriente Médio e na Ásia. Nestas duas regiões do mundo estão os principais clientes da França nos últimos anos. Arábia Saudita, Índia e Emirados Árabes Unidos estão entre os países que mais adquiriram produtos da indústria armamentista francesa.

No caso do Rafale, a empresa Dassault conseguiu finalmente exportar pela primeira vez seu modelo de caça, após fechar negócio com o Egito e o Catar. Cada um desses pâíses irá comprar 24 aparelhos. Um outro contrato está em processo de finalização com o governo indiano que deverá adquirir pelo menos 36 Rafale.

Outro segmento que seduz o mercado é o de helicópteros militares. Negócios com a Polônia e o Kuwait envolvendo a venda do modelo Caracal e também aeronaves para transporte de tropas e de material militar podem render de € 3 bilhões a € 4 bilhões, até o final do ano.

Nova política de exportações

Segundo reportagem do jornal Libération, outro motivo para o sucesso comercial da indústria armamentista francesa é um aspecto interno, traduzido em uma melhor colaboração entre o ministério da Defesa, o Palácio do Eliseu (sede da presidência) e os empresários do setor industrial.

O governo francês reformou sua política de apoio às exportações e criou uma unidade de acompanhamento dentro do ministério da Defesa, facilitando o trabalho de coordenação. No entanto, as decisões continuam com a presidência.

A orientação para investir no programa de exportações era considerada uma alternativa para compensar os cortes orçamentários devido à crise e garantir a performance da indústria armamentista francesa.

Entre 2010 e 2014, a França se manteve entre os cinco maiores exportadores de armamento do mundo com 5% da vendas globais, no mesmo patamar que China e Alemanha. Os Estados Unidos, com 31%, lideram o ranking, seguidos da Rússia com 27% do volume total comercializado.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.