Acessar o conteúdo principal
ATENTADOS DE PARIS

Abaaoud, o cérebro dos atentados de Paris: morto ou vivo?

Abdelhamid Abaaoud: informações contraditórias sobre a sua possível morte.
Abdelhamid Abaaoud: informações contraditórias sobre a sua possível morte. Reproiduç

O jornal norte-americano Washington Post confirma, na sua website, que Abdelhamid Abaaoud, mentor dos ataques de sexta-feira (13), foi morto em ação da polícia na quarta-feira (18), no município de Saint-Denis. As autoridades francesas, por sua vez, ainda não confirmam a morte do terrorista. Segundo o Washington Post, que recebeu a informação de autoridades europeias sob anonimato, Abaaoud teria sido um dos dois terroristas mortos na operação policial realizada em Saint-Denis, região metropolitana de Paris.

Publicidade

As fontes não sabiam precisar, porém, se Abaaoud teria sido morto pela polícia, cometido suicídio ou, ainda, se teria sido atingido pelo impacto da bomba detonada por uma terrorista suicida, quando a polícia invadiu o apartamento onde a célula operava.

O procurador de Paris, François Molins, reconhece que a operação realizada na manhã de quarta-feira (18) em Saint-Denis buscava Abdelhamid Abaaoud, cuja possível presença em território europeu surpreendeu os serviços de inteligência de todos os países.

Abaaoud estaria escondido no terceiro andar de um prédio residencial no centro de Saint-Denis. Na operação de cerco ao edifício, que levou sete horas, a tropa de elite da Polícia Nacional (a RAID) prendeu oito pessoas, deixando um saldo de dois mortos e cinco policiais feridos.

Se a polícia confirma que Abaaoud e Salah Abdelslam, que participou diretamente dos atentados de sexta-feira (13) em Paris, não estão entre os detidos, resta saber quem era o segundo morto na operação. O primeiro, cuja identidade é suposta pela mídia francesa, seria Hasna Aitboulahcen, prima de Abaaoud, a primeira mulher-bomba na história da França.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.