Acessar o conteúdo principal

Mais dois presos na França por planejarem ato terrorista

Terrorismo: ministro do Interior anuncia mais um plano abortado pela polícia.
Terrorismo: ministro do Interior anuncia mais um plano abortado pela polícia. AFP / REMY GABALDA

Um plano de atentado visando as forças de segurança foi descoberto na semana passada na região de Orleans, anunciou o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, em discurso realizado em Toulouse para 150 pessoas entre policiais e políticos locais.

Publicidade

Segundo o ministro, dois jovens franceses, de 24 e 25 anos, foram interpelados e detidos no sábado (19). Eles estavam em contato com um jihadista francês na Síria, que pode ser o mentor do plano confessado pelos detidos durante a sua prisão preventiva. “O ataque, cujo alvo ainda não fora definido, visava gendarmes, policiais e representantes do Estado”, informou uma fonte próxima da investigação na terça-feira (22).

Outras fontes policiais e judiciárias afirmaram que um detido era originário do Marrocos, e o outro do Togo. Um dos dois seria um fundamentalista radicalizado que, de acordo com a investigação, teria felicitado o outro pelos atentados terroristas de Paris em novembro passado.

Segundo as fontes judiciárias, trata-se de dois pequenos delinquentes com ficha criminal de delitos comuns. Os dois agora foram indiciados por formação de quadrilha e planejamento de ato terrorista.

O plano de atentado em Orleans, descoberto pela Direção Geral de Segurança Interior (DGSI), é o décimo plano abortado em território nacional desde 2013, segundo o ministro do Interior.

O prefeito de Orleans, Olivier Carré (do partido conservador Les Républicains) disse, na terça-feira (22), que “esta ação preventiva dos serviços de informação e da polícia mostram a utilidade do estado de urgência, sem o qual as autoridades não poderiam agir com tanta eficiência”.

Balanço do estado de urgência

Bernard Cazeneuve aproveitou a solenidade em Toulouse para fazer um balanço do estado de urgência, decretado logo após os atentados de novembro passado em Paris. Desde novembro, 3.414 pessoas já foram impedidas de entrar na França por ameaça à segurança nacional. 2.898 buscas foram realizadas, com 346 interpelações, 297 prisões temporárias, e 51 pessoas presas. 443 armas foram apreendidas, assim como 200 estoques de estupefacientes e quase um milhão de Euros em espécie.

“Isso demonstra que essas medidas não foram tomadas ao acaso, ou de maneira indiscriminada”, disse o ministro do Interior.

Além das buscas e detenções, 384 pessoas sob a suspeita de periculosidade foram postas em prisão domiciliar, sendo 78% delas já registradas como fundamentalistas radicais. 39 templos religiosos foram revistados, sendo dez deles fechados.

“O estado de urgência não é o oposto nem o esquecimento do estado de direito”, disse o ministro. “Ele é, quando a situação exige e a República pode ser atacada nos seus mais altos valores, o seu escudo”.

 

 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.