Acessar o conteúdo principal
França/ pedofilia/ igreja

Premiê cobra “responsabilidade” de cardeal em escândalo de pedofilia na França

Em Lourdes, 120 bispos católicos franceses estão reunidos hoje para discutir o caso de pedofilia envolvendo a diocese de Lyon e seu arcebispo, o cardeal Philippe Barbarin.
Em Lourdes, 120 bispos católicos franceses estão reunidos hoje para discutir o caso de pedofilia envolvendo a diocese de Lyon e seu arcebispo, o cardeal Philippe Barbarin. ERIC CABANIS / AFP

Um escândalo de pedofilia envolvendo a igreja católica ganha amplitude a cada dia na França. Nesta terça-feira (15), o primeiro-ministro Manuel Valls pediu ao cardeal de Lyon, Philippe Barbarin, que "assuma suas responsabilidades" no caso. Uma associação de vítimas acusa o religioso de omissão diante dos abusos sexuais cometidos por um sacerdote pedófilo.

Publicidade

"A única mensagem que posso enviar (...), sem me colocar no lugar da igreja da França nem no dos juízes, é que assuma suas responsabilidades", disse Valls. "Cabe a ele assumir suas responsabilidades, falar, agir", declarou o primeiro-ministro, em entrevista à imprensa.

No início de março, a Justiça francesa abriu uma investigação contra Barbarin por "não denúncia" e "por colocar em risco a vida de outros”, depois de uma queixa movida pelas vítimas de agressões sexuais cometidas pelo sacerdote Bernard Preynat. As vítimas eram jovens escoteiros em Lyon, entre 1986 e 1991. Elas garantem que o padre pedófilo foi acobertado “por décadas” e criticam a atitude das autoridades da diocese durante 25 anos.

O caso abala a igreja francesa, em meio ao sucesso do filme Spotlight, que venceu o Oscar deste ano e relata o início das investigações jornalísticas que levaram ao estouro do maior escândalo de pedofilia na igreja católica, nos anos 1990.

Padre continua na ativa

A associação francesa La Parole Libérée (A Palavra Liberada, em tradução livre) denuncia que o cardeal Barbarin se mantém omisso até hoje: o sacerdote suspeito dos abusos segue em atividade em Lyon, uma informação confirmada por fontes judiciais nesta terça-feira.

As vítimas escreveram para o papa Francisco para pedir uma audiência privada e explicações sobre a gestão do caso. O sacerdote reconheceu os crimes e foi indiciado pela Justiça, em fevereiro.

Já o monsenhor se defendeu das acusações, negando “com força” ter “acobertado o menor ato de pedofilia”. Arcebispo de Lyon desde 2002, ele argumentou que não tinha responsabilidades no momento dos fatos e que apenas soube de "rumores" em 2007.

De acordo com a diocese, Barbarin só recebeu um primeiro depoimento de uma vítima em meados de 2014, depois de ordenar uma investigação e pedir a opinião do Vaticano. Ele afastou de "todas as formas de ministério" o padre, acusado em maio de 2015.

Vaticano apoia cardeal e aguarda investigações

Em resposta, o Vaticano declarou hoje que “é oportuno esperar os resultados” da investigação e defendeu o cardeal francês. “Qualquer que seja o resultado da investigação, tendo em vista o seu senso de responsabilidade, nós devemos manifestar estima e respeito em relação ao cardeal Barbarin”, afirmou o porta-voz Federico Lombardi, em um comunicado. “Todo abuso sexual de menor constitui um crime grave, cujas consequências não serão subestimadas, nem na duração nem na profundidade dos efeitos”, acrescenta o Vaticano, afastando, por enquanto, a possibilidade de um encontro entre o papa e as vítimas francesas.

A associação se mostra desconfiada em relação ao futuro do caso. "Nós já não temos confiança em nossa diocese, que é o juiz e júri neste caso", explicou Bertrand Virieux, membro da associação de vítimas. "Apelamos, portanto, ao papa. Não cabe a nós pedir a renúncia do cardeal Barbarin, mas ao papa decidir sobre isso", acrescentou.

Com informações da AFP
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.