Acessar o conteúdo principal
Meio Ambiente

Jardins compartilhados viram moda em Paris

Áudio 07:23
Jardim Cité d'Aubry tem mais de 100 sócios e até bananeira plantada.
Jardim Cité d'Aubry tem mais de 100 sócios e até bananeira plantada. RFI

Em Paris, poucos privilegiados podem reclamar que a grama do vizinho é mais verde – em uma cidade tão densa quanto a capital francesa, raros são os parisienses que têm acesso a um pátio, onde possam cultivar flores ou um pequeno pomar. Para compensar, cada vez mais jardins compartilhados estão surgindo na cidade – uma ideia que nasceu em Nova York e toma conta de Paris.

Publicidade

O princípio é simples: em um terreno público, cada um pode plantar e cultivar as verduras, em comum acordo com os demais sócios do local. Em geral, é preciso pagar uma tarifa anual de manutenção, em torno de 30 euros, que dá acesso a todas as ferramentas de jardinagem.

Tem opções para todos os gostos: dos pequenos, com cerca de 20 jardineiros de fim de semana, até imensos espaços instalados no topo de prédios empresariais ou em terrenos abandonados. A ampliação da área verde é uma prioridade da prefeitura parisiense.

Foi assim que Anne Dubosc, moradora do chique 6º distrito de Paris, conseguiu enfim realizar o sonho de ter um jardim. O espaço fica no canto de uma bela praça do bairro.

Anne Dubosc coordena o único jardim compartilhado do 6° distrito de Paris.
Anne Dubosc coordena o único jardim compartilhado do 6° distrito de Paris. RFI

“A iniciativa surgiu dos habitantes, que pediram para a subprefeitura do distrito um terreno para plantar. O jardim se divide em quatro zonas. Duas nós deixamos à disposição de uma escola ao lado, para ensinar as crianças a cuidar das plantas”, explica. “Depois, temos a área das plantas aromáticas, com menta, temperos. Ao lado, temos as chamadas plantas perenes, que voltam todo o ano sem que a gente precise replantar, como as frutíferas. E, no centro, temos os legumes, de acordo com a técnica de permacultura. Desta vez, plantamos mudas de tomate, abóbora e alface.”

Manutenção orgânica

O uso de qualquer tipo de agrotóxico é proibido. A fertilização do solo acontece por compostagem orgânica, mantida pelos sócios. Eles também instalaram um “hotel de insetos”, onde aguardam a visita de abelhas e outros polinizadores, e casinhas para passarinhos, para estimular a biodiversidade.

Do outro lado de Paris, no 20º distrito, o jardim compartilhado Cité d’Aubry chama a atenção pelo tamanho. Mais de 100 moradores utilizam o espaço – cada um tem direito a plantar o que quiser em 1 metro quadrado de terreno.

Pepinos crescem no jardim de Cité d'Aubry, no 20° distrito de Paris.
Pepinos crescem no jardim de Cité d'Aubry, no 20° distrito de Paris. RFI

A professora de informática Laurence Reux escolheu framboesas, morangos e alguns dos seus temperos preferidos, como cebolinha. “Eu venho quando tem sol, não gosto de vir no inverno. Mas logo que aparece o sol, na primavera, eu chego aqui e vejo que tudo cresceu mesmo assim, sem eu sequer fazer nada”, comenta a francesa. “Gosto de vir porque é um lugar tranquilo, em meio às flores, os legumes, além da convivialidade com as pessoas que frequentam o jardim. Trocamos dicas sobre flores, legumes e todos os assuntos relacionados à jardinagem.”

Laurence Reux prefere cultivar o seu pedacinho de jardim durante a primavera.
Laurence Reux prefere cultivar o seu pedacinho de jardim durante a primavera. RFI

Jardins viram lugar de convívio de moradores

Mesas e cadeiras foram espalhadas por todo o jardim, lugares disputados nos dias de calor. Graças ao local, Laurence acabou fazendo diversos amigos no bairro.

“Chega a ser estranho quando eu fico algumas horas aqui e depois volto para a rua, com todo o barulho, os carros e tudo mais. Tenho a impressão de sair de um oásis no meio do deserto. É um lugar calmaria, de contato com a natureza. Esse contato com a terra e com as plantas é importante.

Em meio ao jardim, mesas e cadeiras para os jardineiros conversarem.
Em meio ao jardim, mesas e cadeiras para os jardineiros conversarem. RFI

De volta ao mercado de trabalho pela jardinagem

Alguns jardins têm uma missão social, além do mero prazer de jardinar. É o caso da Associação Espaces, que promove a inserção social e profissional de pessoas isoladas ou desempregadas, pela ecologia urbana. A associação já participou da abertura de 16 jardins compartilhados em Paris e na periferia da cidade.

“São pessoas em uma situação difícil ou que não conseguem um emprego, para quem oferecemos um trabalho durante seis meses ou mais. Desta forma, elas aprendem uma nova profissão, ligada à gestão de jardins e praças. Depois, ajudamos essas pessoas a encontrar um emprego definitivo nesta área”, detalha Casilde Gratacos, membro da entidade. “O jardim fica a cargo de um jardineiro profissional ou de um morador do bairro que se interesse por essa atividade. Nós ensinamos a administrar o local de uma maneira ecológica.”

Praticamente todos os distritos de Paris oferecem jardins compartilhados. A lista completa pode ser consultada no site da prefeitura, que ressalta estar à disposição para a instalação de novos espaços.

Ferramentas ficam guardadas em uma cabana no fundo do jardim.
Ferramentas ficam guardadas em uma cabana no fundo do jardim. RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.