Acessar o conteúdo principal

Imprensa francesa chama torcida brasileira de chauvinista

Capa do jornal Aujourd'hui en France desta quinta-feira, 18 de agosto de 2016, com a manchete: Será que os torcedores brasileiros têm espírito olímpico?
Capa do jornal Aujourd'hui en France desta quinta-feira, 18 de agosto de 2016, com a manchete: Será que os torcedores brasileiros têm espírito olímpico? RFI

A torcida brasileira nos Jogos Olímpicos do Rio continua desagradando a imprensa francesa. Os jornais Aujourd'hui en France e Les Echos desta quinta-feira (18) chamam os torcedores brasileiros de “chauvinista”.

Publicidade

Aujourd’hui en France questiona, em sua manchete, se os torcedores brasileiros têm espírito olímpico. Diante da multiplicação das vaias durante as competições, o diário aponta a” parcialidade da torcida verde-amarelo, que surpreende no mundo asséptico da Olimpíada”. A reportagem diz que o público do Rio, com frequência, não obedece as regras do jogo.

Definitivamente, a imprensa francesa não engole as vaias ao atleta Renaud Lavillenie, medalha de prata no salto com vara, que são novamente lembradas. “Por que tanto ódio?”, pergunta o diário. O francês, que perdeu o primeiro lugar no pódio para o brasileiro Thiago Braz da Silva, esperava uma reação hostil durante a cerimônia de entrega de medalhas depois que comparou a torcida brasileira aos nazistas. “Mas não tanto!”, afirma o texto.

Até o presidente do COI, Thomas Bach, considerou inaceitáveis as vaias a Lavillenie. A matéria cita também o porta-voz dos jogos, Mario Andrada, que garante que o comitê organizador da Rio 2016 irá intensificar a campanha nas redes sociais para que o público se comporte de maneira apropriada.

Torcida excessiva até em partidas de pingue-pongue

Vaias ocorreram em outras Olimpíadas, mas o que impressiona no Brasil, primeiro país latino-americano a organizar o evento, é a sua “reincidência”, inclusive em “provas pouco acostumadas a ter um público tão exuberante”, segundo Aujourd'hui en France. Atletas do pingue-pongue, judô ou tiro, por exemplo, demostraram sua irritação com esse jeito brasileiro de torcer.

Mas é melhor não julgar muito rápido, aconselha ao jornal uma integrante do comitê organizador. Ela lembra que o Brasil, pátria de esportes coletivos, não tem uma cultura olímpica e que existem esportes que eles estão vendo pela primeira vez na vida.

Democratizar o esporte no Brasil

O ex-jogador Raí, em entrevista ao diário, diz que é necessário aproveitar esses Jogos Olímpicos para “democratizar o esporte no Brasil”. Em seu editorial, Aujourd'hui en France afrima que muitos atletas vão guardar um gosto amargo do evento, que deveria ser doce como o Pão de Açúcar, cartão postal do Rio. “Um público chauvinista, que apesar de não encher os estádios, provoca um clima decepcionante nas arenas”, critica.

Chauvinismo é também a palavra escolhida pelo correspondente do Les Echos para caracterizar a torcida brasileira. “Será que os belos símbolos da cerimônia de abertura no Maracanã, de exaltação das diferenças ao som da bossa nova, se despedaçaram sob a chuva de vaias ao saltador francês?”, questiona o texto.

Les Echos também entrevistou Raí, que acaba de receber seu passaporte francês. O ex-jogador, lamenta o chauvinismo, mas garante que o mais importante é o que acontece fora das arenas olímpicas. O presidente da associação Gol de Letra ressalta os limites do progresso social e da redução das desigualdades registrados nos últimos anos. Ela denuncia o racismo social que persiste no país e pede oportunidades iguais para todos.

“Mas acabar tanto com a desigualdade quanto com o chauvinismo necessita uma mudança de mentalidade que está longe de acontecer”, conclui, pessimista, Les Echos.

Detenção rocambolesca de nadadores americanos

Libération repercute a detenção rocambolesca e a retenção dos passaportes dos nadadores americanos, suspeitos de terem inventado o assalto contra o táxi em que voltavam para a Vila Olímpica, na madrugada de domingo. Os principais acontecimentos do 12° dia dos Jogos foram casos de polícia que aconteceram fora dos estádios, complicando a vida do COI.

O escândalo de dois dos 4 nadadores envolvidos, que foram retirados pela polícia do avião que os levava de volta aos Estados Unidos, não foi o único do dia, informa o jornal. O irlandês Patrick Hickey, presidente dos Comitê Olímpico Europeu, também foi detido ontem em seu quarto de hotel, suspeito de participar de uma rede de revenda ilegal de ingressos.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.