Acessar o conteúdo principal
A Semana na Imprensa

Artistas brasileiros são destaque nas revistas semanais francesas

Áudio 02:38
Os paulistas do grupo Metá Metá em destaque na capa da prestigiosa revista semanal Telerama.
Os paulistas do grupo Metá Metá em destaque na capa da prestigiosa revista semanal Telerama. Reprodução

Do “jazz engajado” do grupo paulista Metá Metá ao “incrível” ator Wagner Moura, que volta na segunda temporada da série Netflix “Narcos”, as publicações semanais francesas deram um destaque recheado de elogios aos artistas brasileiros.

Publicidade

O grupo paulista Metá Metá foi capa esta semana da prestigiosa revista Telerama, referência do jornalismo cultural na França. Com o título “O jazz engajado dos brasileiros do Metá Metá”, Telerama tece elogios aos “vocais abrasivos que trazem a revolta do trio de jazz punk de São Paulo”, que “milita pelo reconhecimento das raízes africanas no Brasil”.

Segundo a revista Telerama, o Metá Metá, “cujos shows são eletrizantes”, é o “trio carro-chefe da vanguarda paulistana, em todas as frentes de engajamento cidadãs”. O grupo se apresenta neste final de semana em um castelo nos arredores de Paris comemorando os 40 anos do Festival Ilê-de-France, junto com outros músicos brasileiros como Tulipa Ruiz e Criolo.

Na matéria da revista, sobram elogios também para a cantora do grupo, Juçara Marçal: “seu canto abrasivo e encantatório é dedicado a Exú, figura tutelar do candomblé, mas parece igualmente convocar todas as forças telúricas de um Brasil negro, em todos os sentidos do termo”, publica Telerama.

Wagner Moura: "um ator incrível"

Já o suplemento de TV da revista OBS trouxe na capa o ator brasileiro Wagner Moura, complementada por um longo artigo de quatro páginas dedicado ao artista que volta às telas com a segunda temporada da série “Narcos”, do canal Netflix. A revista classificou Moura como um ator “incrível”, que “carrega a segunda temporada crepuscular da série”.

O suplemento da OBS cita o fato do personagem de Wagner Moura na série, o chefe do cartel de Medellín, Pablo Escobar, morrer durante esta segunda temporada e questiona se a produção sobreviverá sem ele. Segundo a revista, “Narcos marcou nossas memórias” graças à “performance do ator brasileiro”. “Wagner Moura, 40 anos, é uma estrela no Brasil; graças ao sucesso inesperado no Netflix, ele é a partir de agora um grande intérprete reconhecido mundialmente”, diz o texto.

A revista também elogia a direção “brilhante” do brasileiro José Padilha, que assina a série, considerada pela OBS como “uma influência scorcesiana bem-resolvida”. Uma longa entrevista de Moura detalha para os franceses informações sobre a composição do personagem, a infância do ator no Brasil, suas influências artísticas e evoca ainda sua participação em produções como “Tropa de Elite”, além de seus gostos pessoais e preferências musicais.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.