Acessar o conteúdo principal

Le Pen perde imunidade parlamentar ao sugerir "fornada" de judeus

Jean-Marie Le Pen chega para julgamento no tribunal de Nanterre, em 5 de outubro de 2016.
Jean-Marie Le Pen chega para julgamento no tribunal de Nanterre, em 5 de outubro de 2016. REUTERS/Jacky Naegelen/File Photo

O Parlamento Europeu retirou nesta terça-feira (25) a imunidade parlamentar do ex-líder e fundador do partido de extrema-direita francê Frente Nacional, Jean-Marie Le Pen.

Publicidade

O pedido foi feito pela justiça da França, que quer investigá-lo por incitação ao ódio racial por declarações feitas contra Patrick Bruel, um cantor de origem judaica, muito popular no país. Os eurodeputados aprovaram o relatório da comissão de Assuntos Jurídicos do Parlamento, para quem a imunidade de um deputado europeu "não o autoriza a caluniar, difamar, incitar ao ódio ou proferir afirmações que possam danificar a honra de uma pessoa".

Declarações polêmicas

Le Pen, de 88 anos, acostumado a ser alvo de processos judiciais por suas declarações, atacou em junho de 2014 vários artistas contrários ao seu partido, como Madonna, o humorista francês Guy Bedos e o cantor e ex-campeão de tênis Yannick Noah. Quando o cantor Patrick Bruel, que é de origem judaica, foi citado, Jean-Marie Le Pen respondeu: "Faremos uma fornada da próxima vez". Esta frase lhe valeu críticas inclusive de sua filha, Marine Le Pen, presidente do partido de extrema-direita francês Frente Nacional, que a classificou de "falha política".

Para o parlamentar de extrema-direita, a palavra "fornada" não tinha "nenhuma conotação antissemita”, exceto para “os inimigos políticos ou os imbecis".

Segundo uma fonte do Parlamento Europeu, Marine Le Pen também é alvo de um pedido de retirada da imunidade parlamentar, por divulgar em sua conta do Twitter em dezembro de 2015 imagens violentas sobre as atrocidades cometidas pelo grupo Estado Islâmico, em resposta a um jornalista que comparava seu partido a esta organização extremista.

A análise deste pedido, feito pelo Ministério Público de Nanterre, deve agora ser examinada pela comissão de Assuntos Jurídicos, o que pode levar vários meses.

 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.