Acessar o conteúdo principal

François Fillon é o candidato da direita francesa na presidencial de 2017

François Fillon discursa diante de seus partidários depois de vencer as primárias da direita em 27 de novembro de 2016
François Fillon discursa diante de seus partidários depois de vencer as primárias da direita em 27 de novembro de 2016 REUTERS/Philippe Wojazer

Com maioria esmagadora de votos contra o rival Alain Juppé, Fillon venceu o segundo turno das primárias da direita francesa, realizadas neste domingo (27). As projeções indicam que ele pode ser eleito no segundo turno, em disputa com Marine Le Pen, líder da extrema-direita.

Publicidade

Pouco tempo depois do encerramento das sessões eleitorais, os primeiros resultados não deixaram margem de dúvida: François Fillon foi escolhido para representar a direita na presidencial do ano que vem. Os resultados parciais comunicados pela Alta autoridade da primária da direita apontavam 68,7% para Fillon e 31,3% para Alain Juppé. A participação foi relevante, cerca de 3 milhões de eleitores foram às urnas.

Foi em seu quartel-general de campanha, na Maison de la Chimie, em Paris, que François Fillon , do partido Os Republicanos, fez o discurso da vitória, desejando estender a mão a todos os que querem servir a França "para vencer o fracasso da esquerda e a falência da Frente Nacional". Ele também teve um pensamento especial ao ex-presidente Nicolas Sarkozy, eliminado no primeiro turno, e enviou uma mensagem de amizade, estima e respeito a Alain Juppé, o grande derrotado desta primária.

"Os eleitores da direita e do centro encontraram na minha abordagem os valores franceses que admiram. Esses valores, eu os defenderei e nós os compartilharemos com todos os que, em suas diferenças, amam a França. Ninguém deverá se sentir excluído de uma sociedade que desejo mais justa e mas solidária".

Depois dessa introdução em torno dos valores franceses, François Fillon atacou as correntes políticas rivais, começando pela presidência de François Hollande.

"Esse quinquenato que termina foi patético. Vai ser preciso pôr um ponto final e seguir em frente, como há 30 anos não fazemos. Para isto, vou precisar de todo mundo", disse Fillon, acrescentando que seu dever é vencer o imobilismo e a demagogia. "A esquerda é o fracasso, a extrema-direita é a falência. Estou falando em vencer esses partidos, não em vencer os franceses decepcionados, esses eleitores que hoje não estão entre os nossos [da direita], mas me compete também oferecer-lhes um futuro".

Sarkozy, o primeiro twitter

Assim que foi confirmada a vitória, Nicolas Sarkozy foi o primeiro a reagir, tuitando: "Sinceras felicitações a François Fillon pela vitória, boa sorte para o combate político que o espera".

O derrotado Alain Juppé, um gentleman político, felicitou Fillon por sua larga vitória e disse que vai apoiá-lo na eleição de 2017. "Desejo-lhe boa sorte na campanha presidencial, e a vitória em maio do ano que vem", disse, em referência à data prevista para o segundo turno da eleição presidencial. Os dois homens trocaram um aperto de mão na sede da Alta autoridade das primárias da direita.

Outros cumprimentos em forma de apoio político também podem fortalecer a direita na futura eleição.

O presidente do partido UDI, de centro, Jean-Christophe Lagarde, que apoiou Alain Juppé, anunciou que vai propor aos seus aliados, na próxima terça-feira (29), a elaboração de um projeto legislativo comum para apresentar a Fillon.

Marine Le Pen: "Fillon vai ser um bom candidato para eu enfrentar"

A líder da extrema-direita, Marine Le Pen, também comentou a vitória de François Fillon. Ela declarou que sempre pensou que ele seria um candidato muito bom para competir com ela no segundo turno da presidencial. "Ele é o porta-voz do que a União Europeia produz de pior em termos de ideologia", criticou, enfatizando que nunca um candidato foi tão longe na submissão às exigências ultraliberais do bloco.

"Vai ser realmente projeto contra projeto. Tem minha proposta patriota com o patriotismo econômico, a prioridade nacional, a proteção de nossas empresas face à concorrência internacional desleal. E tem o projeto de Fillon com a supressão da Previdência Social, a supressão da duração legal do trabalho, a desregulação total. Os franceses escolherão".

Neste domingo, uma pesquisa da Harris Interactive confirmou diversas projeções da eleição presidencial do ano que vem. No primeiro turno, François Fillon, com 26%, venceria Marine Le Pen (24%). No segundo turno, ele a derrotaria com 67% de votos contra 33% para a candidata da extrema-direita.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.