Acessar o conteúdo principal
França

Hollande anuncia que não vai concorrer à presidência da França em 2017

François Hollande durante pronunciamento nesta quinta-feira, 1° de dezembro
François Hollande durante pronunciamento nesta quinta-feira, 1° de dezembro Television via REUTERS

O presidente francês François Hollande anunciou na noite desta quinta-feira (1°) que não pretende tentar se reeleger em abril de 2017. A decisão sobre a possível candidatura do chefe de Estado, que sofre com índices de impopularidade inéditos, era esperada há semanas pela maioria socialista no poder.

Publicidade

Em um pronunciamento na televisão, François Hollande explicou que desde 2012, quando foi eleito, vem tentando “reerguer a França e torná-la mais justa”. No entanto, o chefe de Estado disse ser “consciente dos riscos” que sua candidatura poderia representar.

Além ser considerado o presidente mais impopular dos últimos 50 anos, Hollande, que aparece nas pesquisas de opinião para o pleito de abril com menos de 10% de intenções de voto, enfrenta oposição em seu próprio partido. A tal ponto que vários nomes de possíveis candidatos surgiram do lado socialista, enfraquecendo a esquerda.

Mas o principal risco ao qual Hollande faz referência vem do aumento da popularidade da direita e da extrema-direita na França. De um lado com François Fillon, escolhido na semana passada com vitória esmagadora para representar o partido Os Republicanos, do ex-presidente Nicolas Sarkozy, e do outro Marine Le Pen, que dirige a legenda ultraconservadora e anti-imigração Frente Nacional. Segundo as pesquisas, Hollande aparece em quinta posição, atrás de Fillon, Le Pen, mas também do ex-ministro da Economia, Emmanuel Macron, e de Jean-Luc Mélenchon, extrema-esquerda.

A lista de pré-candidatos para as primárias da esquerda será definida apenas em 15 de dezembro. Além dos nomes já citados, há suspense sobre a possível participação do atual primeiro-ministro, Manuel Valls, que já havia dito em um entrevista que não descartava a hipótese de concorrer.

Essa é a primeira vez desde 1958, quando foi instaurada a 5ª República no país, que um presidente francês não tenta se reeleger na França. A única exceção foi Georges Pompidou, morto durante seu mandato, em 1974.

Mandato pleno de obstáculos

Durante o breve discurso, Hollande ressaltou as conquistas de sua administração, lembrando que conseguiu reduzir o desemprego, uma de suas prioridades, “mesmo se os resultados chegam mais tarde que o esperado”, como sublinhou o chefe de Estado. O presidente também lembrou a assinatura do acordo mundial do clima durante a COP21 em Paris em 2015 e os desafios da luta contra o terrorismo, quando enfrentou os priores atentados cometidos no país desde a Segunda Guerra Mundial – a chacina no jornal satírico Charlie Hebdo, em janeiro de 2015, os múltiplos ataques em Paris em 13 de novembro de 2015 e em Nice, em julho deste ano.

Ainda em seu balanço, Hollande disse que a única coisa da qual se arrepende durante sua administração foi o fato de ter cogitado retirar a nacionalidade francesa de condenados por terrorismo. 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.