Acessar o conteúdo principal
Um pulo em Paris

Espetáculos humorísticos e shows contra Marine Le Pen marcam reta final da eleição francesa

Áudio 04:14
Apesar do tempo chuvoso, show gratuito contra uma possível eleição de Marine Le Pen reuniu cerca de 2 mil pessoas no centro de Paris.
Apesar do tempo chuvoso, show gratuito contra uma possível eleição de Marine Le Pen reuniu cerca de 2 mil pessoas no centro de Paris. Bertrand Guay / AFP

A última semana da corrida presidencial francesa foi marcada por uma grande mobilização da classe artística. Atores, cantores, cineastas, humoristas e diretores de teatro se uniram para tentar bloquear uma possível vitória da líder da extrema-direita, Marine Le Pen, no segundo turno do pleito, que acontece neste domingo (7).

Publicidade

A mobilização começou logo após o resultado do primeiro turno da eleição, que confirmou a vitória do centrista Emmanuel Macron, seguido da candidata extremista. Mas foi nesta última semana que as manifestações contra Le Pen se intensificaram.

Na terça-feira (2), cerca de mil representantes do mundo das artes realizaram um protesto na Cité de la Musique, a cidade da música de Paris. Intitulado “A Cultura contra a Frente Nacional”, o evento, organizado por associações, federações e sindicatos aconteceu logo após a publicação no jornal Libération de uma tribuna contra Marine Le Pen. O texto havia sido assinado por uma centena de artistas, entre eles Jeanne Moreau, Léa Seydoux e Christian Boltanski.

Cantora brasileira a roqueiro britânico cantam contra Le Pen

Já na noite de quinta-feira (4), cerca de 2 mil pessoas assistiram a um show gratuito na place de la République, no centro de Paris. Além de vários cantores famosos na França, como Mokobé, Carmen Maria Vega e Tété, o britânico Pete Doherty do grupo Libertines, ou ainda Flavia Coelho, uma cantora brasileira conhecida dos franceses, subiram ao palco, onde cantaram e se exprimiram contra Marine Le Pen.

Além dos protestos, a eleição francesa também foi tema de várias peças de teatro e espetáculos humorísticos. Os humoristas aproveitaram o segundo turno para abordar a eleição de forma irônica, quase sempre gozando de Marine Le Pen. Alguns artistas, como Stéphane Guillon e Christophe Alévêque, foram além, e prepararam um show especial para a noite de domingo, na hora da abertura das urnas, para acompanhar e comentar os resultados simultaneamente. 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.