Acessar o conteúdo principal

Terrorista argelino de Notre-Dame é doutorando em comunicação na França

Policial nas proximidades de Notre-Dame após o ataque
Policial nas proximidades de Notre-Dame após o ataque AFP/Bertrand Guay

O argelino Farid I., 40, que atacou com martelo um policial nesta terça-feira (6), na praça da Catedral Notre-Dame de Paris, é doutorando em ciências da informação e da comunicação desde 2014 no Centro de Pesquisa sobre Mediações (Crem, na sigla francesa) da Universidade de Lorraine, na cidade de Metz, no nordeste da França. Ele feriu o policial levemente no pescoço e foi atingido por tiros de outro agente nas pernas e está hospitalizado.

Publicidade

Seu orientador, Arnaud Mercier, disse que "caiu da cadeira quando soube o que aconteceu", em entrevista ao canal BFMTV. “Quando o conheci, ele era pró-Ocidente. Nada indicava que ele pudesse cometer algo assim", completou. Farid estava preparando uma tese sobre jornalismo e as eleições nos países do norte da África.

Depois da transferência do seu orientador para Paris em 2015, o argelino se mudou para o departamento de Val d'Oise, na região Île-de-France, onde fica a capital francesa. Ele continuou matriculado na universidade de Metz.

O criminoso nasceu em 1977 e trabalhava como jornalista na Argélia. Segundo a BFMTV, ele teria trabalhado também como jornalista na Suécia e na Síria. Durante o ataque, ele gritou "é pela Síria" e, após ser atingido pelos tiros, deitado no chão, disse que era "um soldado do califado do Estado Islâmico (EI)".

Uma busca na sua casa resultou na descoberta de um vídeo no qual Farid jura lealdade ao grupo terrorista e descreve os atos que iria cometer.  

Segundo o reitor do Crem, Pierre Mutzenhardt, “ele era um estudante que não tinha comportamento suspeito”. “Seu orientador não entende nada, ficou totalmente surpreso. Ele não mostrou nenhum sinal de radicalização”, disse em entrevista à rádio France Bleu.

Mutzenhardt fará uma reunião nesta quarta-feira (7) e disse que tomará medidas: “Ele não merece estar matriculado na universidade, vou telefonar ao ministério para ver o que fazer”.

Série de ataques na França e no Reino Unido

O ataque acontece três dias após um novo atentado no Reino Unido: 7 pessoas foram mortas e 48 feridas em Londres, em um ataque reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI). Três homens atropelaram pedestres na ponte London Brigde, sobre o rio Tâmisa, antes de descer e esfaquear pessoas em bares e restaurantes.

Outro ataque, realizado por um homem-bomba no dia 22 de maio em Manchester, matou 22 pessoas e feriu mais de 100 na saída de um show da cantora norte-americana Ariana Grande.

A França também foi alvo de ataques, reivindicados pelo EI, depois dos atentados de Paris de 13 de novembro de 2015, que deixaram 130 mortos.

Há um mês e meio, um tiroteio na avenida Champs-Elysées, em Paris, matou um policial e deixou dois gravemente feridos. Uma turista ficou levemente ferida no joelho.O criminoso foi morto.

Antes, no dia 3 de fevereiro, um homem tentou agredir com um facão um militar que patrulhava a área ao redor do museu do Louvre, no centro de Paris. O soldado reagiu rapidamente e atirou contra o agressor.

Além disso, em setembro de 2016, a polícia descobriu nas proximidades de Notre-Dame um veículo com cinco botijões cheios de gás. As investigações levaram a um grupo de mulheres jihadistas, que planejavam um ataque à catedral.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.