Acessar o conteúdo principal
Terrorismo

Atentados "low cost" podem abrir nova era do terror na Europa

A imagem que correu o mundo em 6 de junho no Twitter: 900 pessoas presas dentro da Catedral de Notre Dame, em Paris, depois do ataque ao policial no pátio.
A imagem que correu o mundo em 6 de junho no Twitter: 900 pessoas presas dentro da Catedral de Notre Dame, em Paris, depois do ataque ao policial no pátio. Reprodução Twitter

O terrorismo "low cost”, termo utilizado pela imprensa francesa, após o ataque de quarta-feira (6) diante da Catedral de Notre Dame, em Paris, multiplica seus adeptos e obriga governos e especialistas a repensarem suas estruturas de repressão ao extremismo no Ocidente.

Publicidade

No último dia 6, uma terça-feira comum de junho em Paris, cidade que começa a receber milhares de turistas atraídos pelo bom tempo do início do verão francês, um doutorando em jornalismo de origem argelina de 40 anos atacou com um martelo um policial no pátio da Catedral de Notre Dame, depois de gritar “é pela Síria”. Alvejado por tiros de policiais, o atacante foi imobilizado e cerca de 900 pessoas ficaram momentaneamente detidas dentro da igreja que recebe mais de 13 milhões de turistas por ano.

A imagem da multidão levantando as mãos durante a averiguação policial, dentro de sua nave gótica, monumento emblemático da capital francesa, rodou o mundo, publicada no Twitter. O autor do atentado, que trabalhava numa tese de doutorado sobre jornalismo na Universidade de Lorraine (nordeste da França), atacou um dos maiores símbolos ocidentais e se autoproclamou um “soldado do califado” do grupo Estado Islâmico (EI).

Policial é ferido e agressor neutralizado em frente à catedral Notre-Dame de Paris (autoridades)
Policial é ferido e agressor neutralizado em frente à catedral Notre-Dame de Paris (autoridades) REUTERS/Charles Platiau//File Photo

Três dias antes, em Londres, outro atentado: três homens avançam com uma van sobre a multidão no meio da ponte de Londres, na tentativa de fazer o maior número de vítimas possível. Os agressores saltam do veículo quando não conseguem mais avançar, e, com facas, matam oito pessoas e deixam um rastro de 48 feridos. Em abril, um soldado francês é abatido por um extremista na avenida Champs Elysées, artéria icônica de Paris. Finalizando a breve retrospectiva, em 21 de dezembro de 2016, um caminhão invadiu uma tradicional feira de Natal em Berlim, matando 12 pessoas e ferindo outras 48, num atentado também assinado pelo grupo EI.

Segundo o ministro do Interior da França, Gérard Collomb, o Ocidente teria entrado na “era de um terrorismo pouco sofisticado”, um terrorismo que especialistas consideram de baixo custo (low cost", da expressão em inglês). O episódio foi considerado pela imprensa francesa como o “batismo de fogo” de Collomb, que tem sob sua responsabilidade dois assuntos difíceis para o próximo quinquênio: a ameaça jihadista (dentro e fora do país) e a crise migratória. “Passamos de um terrorismo ultrassofisticado a um tipo de terrorismo onde qualquer instrumento serve para cometer agressões”, analisou o ministro.

Atentados low cost: rápidos, imprevisíveis e difíceis de serem detectados

“Constatamos, efetivamente, que no período entre 2013 e 2017 houve um aumento claro da porcentagem [de ataques] com armas rudimentares nos projetos ou tentativas de atentados”, afirma Laurence Bindner, do Centro de Análise do Terrorismo (CAT) da França. “Apenas entre 2013 e 2016, em mais de 120 incidentes terroristas, 24% foram feitos com armas brancas, essencialmente facas, contra 13% de ataques do mesmo tipo registrados entre 2008 e 2013, o que significa um aumento muito forte neste sentido, igualmente no caso de atentados com veículos”, detalha a especialista.

“Trata-se de um fenômeno que diz respeito a todos os países e todos os modelos sociopolíticos, sejam eles laicos ou comunitaristas. Este terrorismo "low cost", mesmo se não é completamente novo, ganha uma nova amplitude porque responde a um chamado oficial do grupo Estado Islâmico, lançado na internet em setembro de 2014 por Mohammed al-Adnani [chefe sírio extremista, porta-voz do EI e suspeito de ser o mandatário dos atentados de Paris]. Na época, ele convocou todas as pessoas ligadas à causa jihadista, dizendo ‘se vocês não puderem explodir uma bomba ou atirar, descubram uma maneira de ficarem a sós com um infiel francês ou americano e quebrem seu crânio com uma pedra, matem-no com um golpe de faca ou atropelem-no com seu carro’”, lembra Bindner. “Este chamado oficial do grupo EI foi amplamente difundido e encorajado por sua agência de propaganda [Amak] nas redes sociais, que divulga regularmente tutoriais e manuais de treinamento de agressão com facas”, ilustra a pesquisadora.

Rosas brancas lembraram cada uma ds 86 vítimas do atentado cometido em Nice em 14 de julho de 2016.
Rosas brancas lembraram cada uma ds 86 vítimas do atentado cometido em Nice em 14 de julho de 2016. REUTERS/Eric Gaillard

“Pela lógica de recrutamento, este tipo de convocação permite um recrutamento muito mais amplo, sem necessidade de pré-requisitos para se tornar um terrorista ou de conexões privilegiadas com o banditismo ou a criminalidade propriamente dita; na sequência, os chamados permitem uma diversificação dos atentados. Com cerca de 80 ataques de origem sírio-iraquiana foram desmantelados na Europa, 40 deles apenas na França. Mas este terrorismo 'low cost' permite, ao contrário, escapar do radar dos serviços de inteligência e de perpetrar uma ameaça muito mais difusa na sociedade. Finalmente, a lógica de ação dos atentados "low cost" prescinde de uma mecânica pesada, existe um imediatismo de atuação que pode causar surpresa, são mais fáceis de serem executados e menos previsíveis”, explica Laurence Bindner.

Atentados de massa não podem ser descartados

Elie Tenenbaum, coordenador do Laboratório de Segurança do Instituto Francês de Relações Internacionais (Ifri), afirma, no entanto, que não se trata de uma “nova etapa”. “Não acredito que passaremos de um terrorismo a outro, simplesmente as maneiras de atacar se multiplicam, mas não se sucedem. O que quer dizer que devemos sempre levar em conta o risco do terrorismo de massa, como nos atentados de novembro de 2015, a partir de indivíduos infiltrados a partir do Oriente Médio, com armas pesadas, além das explosões em veículos, entre outras possibilidades”, analisa.

“Devemos lembrar que a organização Al-Qaeda, no Iêmen, já havia lançado um apelo em 2008 convocando indivíduos a cometerem ataques home made, dentro do contexto deste terrorismo "low cost", aponta Tenenbaum. “As organizaçõ

Alemães prestam homenagens no local do atentado em Berlim, nesta quarta-feira, 21 de dezembro de 2016.
Alemães prestam homenagens no local do atentado em Berlim, nesta quarta-feira, 21 de dezembro de 2016. REUTERS/Hannibal Hanschke

es terroristas são essencialmente pragmáticas e utilizam todos os meios possíveis à disposição para atacar seus adversários. Na base do espectro de ferramentas disponíveis do extremismo há o terrorismo amador. Não são lobos solitários, porque a cada ataque deste tipo existe pelo menos uma rede por trás. Eles operam em locais fechados e raramente deixam o território do país onde cometerão o atentado”, avalia o especialista.

“Os alvos do terrorismo 'low cost' também são simbólicos. O terrorismo trabalha com a falta de correspondência entre o escopo militar da ação, geralmente fraco, e seu escopo simbólico, geralmente muito carregado de significados. Foi assim na avenida Champs Elysées na catedral de Notre Dame, em Paris, em Westminster, em Londres e no Passeio dos Ingleses, em Nice [sul da França]. O objetivo é claro: suscitar o terror e apavorar milhões de pessoas de um golpe só”, finaliza Tenenbaum.

Uma nova “força-tarefa” antigrupo Estado Islâmico

Na França, um dos países da Europa ocidental mais alvejados por atentados reivindicados pelo grupo Estado Islâmico desde 2015, o presidente Emmanuel Macron anunciou nesta quarta-feira (7) a criação de um “centro nacional antiterrorismo”. A nova célula de combate ao terrorismo será dirigida por Pierre de Bousquet de Florian, nome forte do serviço de Inteligência francês, homem de confiança do ex-presidente Jacques Chriac e ex-diretor da famosa Direção de Vigilância do Território (DST). A partir de 2008, a DST foi agregada à área específica de informações e se tornou a atual Direção Geral da Segurança Interior (DGSI).

A missão de Pierre de Bousquet de Florian à frente deste novo centro nacional antiterrorismo ou contraterrorismo, como preferem os franceses, será comandar um grupo de cerca de 20 pessoas, essencialmente analistas especializados no tema, para garantir a coordenação dos diferentes serviços de inteligência. Bousquet deverá também propor ao presidente francês novos planos de ação e apresentar um relatório semanal ao Conselho de Defesa, onde se elabora estrategicamente a luta contra o terrorismo na França.

A criação desta nova “task force” (força-tarefa, em português), como vem sendo chamada pela imprensa francesa, é uma das promessas de campanha de Emmanuel Macron e deverá responder diretamente ao chefe de Estado. O objetivo, segundo comunicado oficial do Palácio do Eliseu desta quarta-feira (7), é “integrar” os diferentes serviços de inteligência franceses, mas "não criar um novo departamento".

“Percebe-se efetivamente uma vontade muito forte vinda do Palácio do Eliseu no sentido de se implicar ao máximo na criação desta nova célula anti-Estado Islâmico, com todos os riscos que vêm junto com este novo setor. Já temos muito departamentos de Estado que operam neste sentido. A decisão do presidente da República de se implicar pessoalmente nesta iniciativa cria, claro, mais responsabilidades e riscos de eventuais falhas para ele”, analisa Elie Tenenbaum.

O nível do alerta terrorista continua alto na França depois de 2015. Dezenas de possíveis ataques foram antecipados e abortados pela polícia francesa desde então, alguns deles considerados “muito sérios”, segundo especialistas.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.