Acessar o conteúdo principal
Um pulo em Paris

Famílias francesas têm menos filhos e mais mulheres sozinhas no comando

Áudio 08:51
A maior parte das famílias monoparentais francesas é chefiada por mulheres.
A maior parte das famílias monoparentais francesas é chefiada por mulheres. CHARLY TRIBALLEAU / AFP

Estudo divulgado esta semana pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Estudos Econômicos (Insee) mostra que 2/3 dos domicílios franceses são compostos de uma ou duas pessoas, com ligação de parentesco ou não. Num amplo levantamento realizado entre 1990 e 2013, o Insee constatou que o número de famílias monoparentais dobrou nesse período, passando de 12,5% para 22%. Em 85% dos casos, são mulheres que cuidam de um ou mais filhos menores de 18 anos.

Publicidade

O chamado "baby boom" do pós-guerra, pico de natalidade que durou até meados da década de 70 no país, passou a declinar lentamente a partir dos anos 90. O número de famílias com três crianças ou mais foi diminuindo continuamente, ao mesmo tempo em que aumentaram em 17% os núcleos de uma ou duas pessoas morando juntas, com ou sem relação de parentesco. Na maior parte das casas ou apartamentos habitados por duas pessoas, 78% são casais.

Apesar de o governo francês manter incentivos fiscais para as famílias com mais de três filhos, como um desconto vantajoso no imposto de renda, a taxa de natalidade passou de 2 para 1,93 entre 2014 e 2016. A profissionalização das mulheres, a maternidade tardia e a fragilidade das uniões são aspectos citados no relatório do Insee para explicar essas mudanças na sociedade francesa.

Para os pais animados, que ainda decidem ter três filhos ou mais, a França reserva algumas regalias até completarem 18 anos. Com um "cartão de família numerosa", emitido pela companhia ferroviária SNCF - programa criado em 1921 -, é possível obter descontos de 30% a 75% nos transportes, em atividades de lazer e algumas redes de supermercados. Diversos tipos de auxílios sociais são distribuídos pela Caixa de Benefícios Familiares (CAF), uma "tentação" que durante décadas, antes de o país entrar em crise, encorajou os nascimentos.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.