Acessar o conteúdo principal
Imprensa

"Merci, Macron", ironiza Libération sobre nova reforma trabalhista

Capa do jornal Libération desta sexta-feira (1°).
Capa do jornal Libération desta sexta-feira (1°). Reprodução Libération

Um dia depois de o governo francês ter apresentado a reforma trabalhista - uma das principais promessas de campanha do presidente Emmanuel Macron - o assunto estampa as capas dos principais jornais franceses desta sexta-feira (1°).

Publicidade

"Merci, Macron", diz a manchete do diário Libération, fazendo um trocadilho irônico com o documentário satírico "Merci, Patron" ("Obrigada, Patrão", em português), que virou emblema dos militantes contra a reforma do trabalho. Para o diário, a medida só serve para agradar as empresas. 

Em editorial, Libération considera que o governo tenta vender a reforma como moderna e adaptada aos novos tempos. "Mas será que modernidade consiste em acatar as antigas reivindicações do patronato, rejeitando a possibilidade dos trabalhadores de renegociar salários, tempo de trabalho ou vantagens?", pergunta.

Com as medidas apresentadas na quinta-feira (31), o Medef (Movimento das Empresas Francesas), triunfa, enquanto os sindicatos são deixados de lado, escreve o jornal. "Decididamente, o mundo de amanhã que nos anunciam se parece extremamente com aquele de anteontem", sublinha o editorial do Libération.

Elogios a Macron

Já o jornal conservador Le Figaro aclama a decisão do governo Macron de modificar as leis trabalhistas. Para o diário, as 36 medidas apresentadas podem começar a resolver o problema do desemprego no país. "Macron fez a promessa de se engajar por uma vasta reforma do Código do Trabalho e não hesitou em cumpri-la", comemora Le Figaro.

Para o diário, "é simplificando a vida das empresas e adaptando as regras à realidade que a confiança dos empregados se solidifica e os patrões podem investir e empregar sem medo". Le Figaro tem certeza que, para colocar as medidas em prática, o governo terá todo o apoio das empresas.

"Agora é preciso que Macron se mantenha firme até o final: renovando o modelo social existente ele vai conseguir, um dia, chegar a um índice de desemprego de apenas 5%", escreve Le Figaro. Segundo o jornal, a maioria dos franceses é favorável ao princípio da reforma trabalhista e o presidente não pode decepcionar a população.

Principais pontos da reforma

O diário Aujourd'hui en France se dedica a explicar os principais pontos da reforma, destacando como as medidas apresentadas vão mudar o cotidiano dos trabalhadores franceses. Por exemplo, o aumento da indenização em caso de demissão por parte do empregador, mas a maior facilidade de dispensar os empregados se os patrões alegarem dificuldades ecônomicas.

Para o jornal, não há dúvidas, no entanto, que a reforma beneficia especialmente o empregador. "Esperemos que as medidas lhes deem vontade de empregar sem medo. Afinal, o objetivo básico é simplificar, modernizar, restaurar a confiança e diminuir um desemprego insuportável", conclui o editorial do jornal Aujourd'hui en France desta sexta-feira.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.