Acessar o conteúdo principal
Macron/Moção de censura

Governo Macron vai enfrentar moções de censura por gestão de caso de ex-segurança

Alexandre Benalla, à direita de Macron, em 05/05/2017.
Alexandre Benalla, à direita de Macron, em 05/05/2017. REUTERS/Regis Duvignau

O governo de Emmanuel Macron terá de enfrentar na terça-feira (31) duas moções de censura por sua gestão do "caso Benalla", ex-segurança do presidente, considerada a sua pior crise política desde que chegou ao poder pouco mais de um ano.

Publicidade

As duas moções de censura, uma impulsionada pela direita e outra pela esquerda, não têm chances de prosperar, uma vez que o partido centrista de Macron, A República em Marcha (LREM), tem uma maioria absoluta na Assembleia Nacional.

Mas derrubar o governo de Macron não é o objetivo buscado pela oposição. Os Republicanos (direita) e a esquerda buscam com essa ação forçar o Executivo a se explicar sobre o escândalo envolvendo um dos ex-chefes de segurança de Macron, Alexandre Benalla, que agrediu manifestantes durante protestos de 1º de maio.

Violência e usurpação da função pública

Benalla, que, segundo imagens capturadas por testemunhas, usava capacete e braçadeira policial, foi inicialmente suspenso sem pagamento por 15 dias, mas depois que a imprensa divulgou o caso, foi demitido e acusado pela justiça por violência e usurpação da função pública.

Altos quadros da presidência estavam cientes do incidente, mas não informaram a justiça conforme exigido por lei.

O primeiro-ministro Edouard Philippe deverá responder às perguntas de um deputado de cada um dos dois partidos que apresentaram a moção de censura.

As moções de censura são bastante frequentes na França. Foram mais de 100 desde 1958. Mas é a primeira contra o governo de Emmanuel Macron desde a sua vitória na eleição presidencial de 2017.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.