Acessar o conteúdo principal
França/polêmica

França: retorno de festa da Idade Média que celebra “jovens virtuosas” revolta feministas

"Jovem virtuosa" eleita em festa da França, em 1906
"Jovem virtuosa" eleita em festa da França, em 1906 (Foto: Wikipedia)

A “Fête de la Rosière” (Festa da Rosa, em tradução livre), é uma tradição francesa do século V, que visa coroar uma jovem “pura e virtuosa”, chamada na época de rosière. A celebração deixou de existir há mais de 30 anos, mas Bertrand Tribout, presidente da confraria de Saint Médard, uma associação situada em Salency, no norte, pode ressuscitar a tradição em junho de 2019.

Publicidade

Bertrand Triboud defende que sua associação é despida de “todo caráter religioso”, afirmou à rádio francesa France Info. “A festa foi iniciada por Saint Médard, originário de Salency, que queria encorajar a 'pureza' em suas terras”, explicou, ressaltando que isso não tem uma relação direta com a virgindade. “É uma festa campestre, divertida.”

A opinião parece não ser compartilhada por muitos internautas e feministas, que nas redes sociais denunciaram um “desrespeito ao direito das mulheres”. Questionado, Triboud declarou que “não entende porque a pureza de uma jovem é repreensível”.

Para o organizador do evento, a ideia “é homenagear uma garota que seja gentil com sua família e parentes e esteja sempre pronta para ajudar o próximo. É o que faz a especificidade de nossa cidade”, detalhou à rádio francesa.

Ele assegura já ter encontrado jovens voluntárias para concorrer ao título. Uma delas é Camille, filha da última “rosière” eleita da cidade, em 1987. “Para mim, a virtude não tem nada a ver com a virgindade, mas “o desejo de fazer o bem”, disse a garota à imprensa francesa.

Cancelamento

Diante da polêmica, o prefeito de Salency, Hervé Deplanque, não descarta a ideia de cancelar o evento. Ele disse ter recebido centenas de e-mails de associações feministas, indignadas com a celebração. Segundo ele, 70% dos habitantes do vilarejo, que tem menos de mil habitantes, são contrários ao retorno da festa. “Quem têm o direito hoje de avaliar ou não a pureza de uma jovem?”, indaga.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.