Acessar o conteúdo principal
Nasa/Saturno

Anéis de Saturno são mais novos do que o planeta, diz Nasa

Saturno, fotografado pela sonda Cassini, em 28 de outubro de 2016
Saturno, fotografado pela sonda Cassini, em 28 de outubro de 2016 NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute/Handout via REUTERS

Os anéis de Saturno são mais jovens do que os cientistas imaginavam e surgiram entre os últimos 10 milhões e 100 milhões de anos. Esse é o resultado de uma pesquisa publicada pela Nasa, a agência espacial americana, nesta quinta-feira (17), que se baseou em descobertas feitas pelas sonda Cassini, enviada em 1997 ao planeta.

Publicidade

Saturno é o sexto planeta a partir do Sol e se formou há cerca de 4,5 bilhões de anos, ao mesmo tempo que os outros planetas do nosso sistema solar. Seus famosos anéis, entretanto, surgiram muitos bilhões de anos depois. Durante muito tempo, os astrônomos acreditaram que os anéis eram mais jovens e se formaram a partir de colisões entre as luas do planeta ou por um cometa que caiu e se despedaçou em sua órbita.

Com o fim da missão da sonda não tripulada Cassini, que ficou 10 anos coletando informações em 22 órbitas diferentes e teve sua “morte” planejada na superfície de Saturno, em 2017, algumas dessas questões puderam finalmente ser esclarecidasAo estudar como a trajetória de voo da Cassini foi desviada pela gravidade dos anéis, os cientistas conseguiram deduzir a massa dos anéis e a idade aproximada. Isso foi possível porque a sonda conseguiu se aproximar a uma distância relativamente pequena.

Anéis são compostos de gelo

"Apenas chegando tão perto de Saturno nas órbitas finais da Cassini fomos capazes de reunir as medidas para fazer as novas descobertas", disse o autor principal do estudo, Luciano Iess, da Universidade Sapienza de Roma. Entender a idade e a massa dos anéis era "um objetivo fundamental da missão", acrescentou.

Uma massa menor indica anéis mais jovens, porque à medida que envelhecem. Eles anéis atraem mais detritos e tornam-se mais pesados. Os anéis são 99% compostos por gelo. O estudo não aprofundou a questão de onde eles vieram, mas apoiou teorias como um cometa ou uma colisão entre luas.

(Com informações da AFP)

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.