Acessar o conteúdo principal
Meio Ambiente

Por trás do glamour dos cosméticos, poluição do corpo e do ambiente

Áudio 05:55
O movimento Slow Cosmetique com o seu selo de qualidade promove as marcas que respeitam o meio ambiente e o nosso corpo
O movimento Slow Cosmetique com o seu selo de qualidade promove as marcas que respeitam o meio ambiente e o nosso corpo Captura de vídeo

O shampoo que deixa o cabelo sedoso e brilhante ou o sabonete com toque aveludado escondem um lado nada glamouroso: para conseguir esse efeito, a maioria dos produtos possuem derivados de petróleo, que nada mais são do que plástico em forma líquida. Outras marcas se orgulham de só ter ingredientes naturais na fórmula – mas os componentes são obtidos com métodos duvidosos de produção, em países distantes nos quais as regras ambientais são inexistentes.

Publicidade

Para combater as práticas nada ecológicas de ao menos 80% da indústria cosmética mundial, o movimento Slow Cosmetique, da França, propõe um selo de qualidade para destacar as marcas que respeitam o corpo e o meio ambiente. A coordenadora da associação, Constance Sycinski, explica o quanto um simples banho pode ser nocivo, dependendo da escolha do sabonete líquido ou do shampoo.

“O efeito macio e sedoso é garantido, mas na verdade estamos envolvendo os cabelos de plástico e, quando enxaguamos a cabeça, ainda levamos esse plástico para os esgotos. É muito grave porque além de poluirmos mais o planeta a cada banho, ainda colocamos poluentes no nosso próprio corpo”, afirma.

Constance chama a atenção para o consumismo exagerado que permeia a indústria cosmética: existe um produto diferente para cada parte do corpo, num estímulo permanente a comprar cada vez mais.

“Não precisamos de tudo isso! O Slow Cosmetique convida as pessoas a consumir menos e melhor. Produtos simples e de multiuso, como os óleos vegetais, que têm ingredientes naturais e são ótimos para a pele como um todo, porque contêm ácidos graxos que a nutrem profundamente, sem poluir”, observa.

Produtos para bebê

Esse retorno à simplicidade foi o que motivou a gestora educacional Deborah Feyte a se interessar pelo movimento, no sudoeste da França. Ela começou com receitas caseiras, como trocar o demaquilante por um simples azeite de oliva. O nascimento das filhas a fez questionar ainda mais a necessidade de ter tantos cosméticos no banheiro. 

“Minha filha mais velha tinha muita irritação na pele quando era bebê. Foi quando decidi introduzir uma mudança radical: fim de produtos industrializados no banho e passei comprar só produtos naturais, com o selo Slow Cosmetique. Vi a diferença em poucos dias”, atesta a francesa. “As irritações simplesmente acabaram. Ela não tem mais nenhum problema de pele.”

Outro problema é a geração de lixo. Constance Sycinski destaca que não basta as marcas oferecerem embalagens recicláveis, se elas continuam a conter plástico. Para ser sustentável, é preciso romper com a dependência dos materiais sintéticos e privilegiar embalagens minimalistas, de papel ou tecido.

Grandes marcas de fora

A Slow Cosmetique se preocupa com toda a cadeia de produção, em circuito curto, artesanal, local e atento a princípios éticos, como o bem-estar animal. É por isso que, na lista de marcas agraciadas com o selo, jamais haverá espaço para gigantes como L’Oréal ou L’Occitane – por mais que elas se esforcem para passar uma imagem ecológica.  

A diretora da associação destaca que, por pressão do mercado consumidor, cada vez mais atento aos rótulos dos produtos e atento à presença de desreguladores endócrinos, as grandes marcas se obrigam a oferecer pelo menos uma gama de orgânicos. Mas atenção: orgânico não é sinônimo de sustentável.

“A fórmula será boa, não-poluente, mas terá ingredientes do mundo inteiro, produzidos num ritmo alucinante, às vezes prejudicando as populações locais. Tudo isso porque o Ocidente está exigindo cosméticos orgânicos, então vão passar a produzir orgânicos desenfreadamente”, prevê.

Por conta do modo de produção diferenciado, os cosméticos sustentáveis nunca estarão entre os mais baratos do supermercado. Eles custam em média o dobro de um produto comum de uma marca conhecida.

“Quanto mais o preço for baixo, mais chances de estarmos diante de um produto que contém derivados de petróleo, que não custam nada comparados a um bom óleo vegetal ou outros ingredientes naturais nobres. Já faz seis anos que fazemos essa conscientização na França e ainda temos um longo caminho pela frente: somos um nicho dentro do nicho de produtos orgânicos”, nota Constance. “E para todas as pessoas que acham os cosméticos franceses luxuosos, tradicionais, fabulosos, saibam que a maioria dos produtos exportados em massa para o mundo estão longe de ser nobres, inclusive do ponto de vista das suas fórmulas.”

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.