Acessar o conteúdo principal

Amazon demite funcionários que apoiaram “coletes amarelos” na França

Amazon é um dos líderes da venda online no mundo
Amazon é um dos líderes da venda online no mundo REUTERS/Mike Segar

Vários funcionários da empresa Amazon que manifestaram apoio aos protestos dos “coletes amarelos” nas redes sociais foram demitidos recentemente na França. A gigante da internet critica uma “falta grave” na obrigação de lealdade, por terem encorajado ou participado de bloqueios contra o próprio empregador.

Publicidade

Foram dois casos em Lille, no norte da França, e um terceiro em Montélimar. De acordo com as cartas de demissão que eles receberam, publicadas pelo jornal Le Parisien, os empregados demonstraram “comportamento em oposição total aos valores da empresa”. Um deles decidiu fazer uma queixa na justiça. Em 22 de novembro de 2018, o agora ex-funcionário disse: “Francamente, vocês estão indo bem, não desistam, na sexta-feira será Black Out Friday, não parem. Me unirei a vocês quando não for trabalhar, bloqueiem tudo.”

Para um responsável do Conselho Geral do Trabalho (CGT) da cidade de Montélimar, demitir um funcionário por declaração nas redes sociais é um fato inédito no país. “Já ouvi falar de casos em que as pessoas tiveram que prestar esclarecimento porque foram denunciadas por colegas. Mas dessa vez aconteceu em dois lugares diferentes e me parece que foram membros do RH que fuxicaram nos perfis dos trabalhadores no Facebook”, disse.

Clima de medo

Em Montélimar, o clima de medo se instalou. Diversos trabalhadores fecharam seus perfis no Facebook para impedir que o serviço de Recursos Humanos espione suas publicações. Para Avi Bitton, advogada especializada em direito do trabalho, a lei está do lado dos funcionários.

“É o empregador que deve apresentar provas de que o trabalhador cometeu uma falta grave. Mas em se tratando de mensagens nas redes sociais, isso é complicado. Outra dificuldade é que a empresa ataca liberdades fundamentais, como se manifestar ou fazer greve”, explica Avi Bitton.

Um apelo à greve para o dia 5 de fevereiro foi lançado pela CGT, pelo sindicato Sud-Solidaires e por “coletes amarelos”, em apoio aos funcionários demitidos. Amazon, até o momento, disse que seus contratados “estavam livres para participar ou expressar simpatia a um movimento”, mas “respeitando suas obrigações” junto à empresa.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.