Acessar o conteúdo principal
Coletes amarelos/ Ato 14

Após 3 meses, 56% querem que "coletes amarelos" parem; ato 14 acontece neste sábado

"Coletes amarelos" se manifestam em frente à Assembleia Nacional, em 9 de fevereiro de 2019.
"Coletes amarelos" se manifestam em frente à Assembleia Nacional, em 9 de fevereiro de 2019. Zakaria ABDELKAFI / AFP

Manifestações no sábado, outras domingo e um possível retorno nas rotundas: três meses após o início do protesto, as chamadas para demonstrar são muito fragmentadas para o ato 14 dos "coletes amarelos", neste sábado (16). E, pela primeira vez desde novembro, a maioria dos franceses (56%) quer que a mobilização pare, de acordo com uma pesquisa Elabe divulgada na quarta-feira (13).

Publicidade

A mobilização diminuiu nos três últimos sábados, em especial no ato 13, que reuniu 51.400 pessoas, segundo os números do Ministério do Interior, que são regularmente contestados pelos "coletes amarelos".

As figuras históricas do movimento são bastante discretas sobre suas intenções, incluindo Eric Drouet, contra o qual a procuradoria de Paris solicitou nesta sexta-feira (15) suspensão da prisão por organizar reuniões não autorizadas.

Na quinta-feira, o ministro do Interior Christophe Castaner também denunciou as ambições de "golpe de Estado" de outra figura "coletes amarelos", Christophe Chalençon, filmado sem o seu conhecimento, enquanto evocava a possibilidade de uma inversão de poder por "paramilitares".

14º sábado

Na capital, várias chamadas coexistem nas redes sociais para o ato 14, com slogans radicalmente diferentes. Uma das chamadas clama por "insurreições" e por "bloquear a Praça da Etoile, onde fica o Arco do Triunfo, o maior tempo possível" neste sábado.

O post mais seguido marca encontro domingo na artéria de Paris, para uma manifestação "declarada e pacífica". A rota planeja descer os Champs-Élysées e seguir pela margem esquerda do Sena, passando pela Assembleia Nacional e pelos os ministérios do Trabalho e da Defesa, antes de ingressar no Champ de Mars.

Em Bordeaux e Toulouse, outras cidades onde há fortes protestos, as manifestações estão planejadas no início da tarde de sábado, prelúdios para atos que frequentemente terminavam em violência.

Atos também estão previstos no sábado em Marselha, Lyon, Nantes, Lille, e várias outras cidades: Nice, Saint-Etienne, Bourg-en-Bresse, Thionville, Rouen, Pontivy, Alencon, Reims, Boulogne-sur -Mer etc.

(Com informações da AFP)

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.