Acessar o conteúdo principal
França/protestos

"Coletes amarelos" voltam às ruas e querem acampar perto da torre Eiffel

Manifestante do movimento "Coletes amarelos" na Champs Elysées, neste sábado
Manifestante do movimento "Coletes amarelos" na Champs Elysées, neste sábado (Foto: Reuters)

Este é o décimo sétimo sábado de manifestações antes do fim do debate nacional lançado pelo presidente francês Emmanuel Macron, que termina no dia 16 de março.

Publicidade

Os protestos deste sábado (9) incluem um "flash mob" no aeroporto de Roissy e uma convocação e a instalação de um acampamento em Champ de Mars, perto da Torre Eiffel. Nesta sexta-feira (8) à noite, cerca de 30 manifestantes tentaram erguer tendas próximas do monumento, mas foram rapidamente retirados pelos policiais.

O objetivo, asseguram alguns dos representantes do movimento, caracterizado pela ausência de um líder, é “retomar o espírito” inicial dos protestos e aumentar a pressão sobre Macron, que registrou um aumento de sua popularidade depois de promover o debate nacional.

A discussão, lançada para responder às reivindicações da contestação social lançada pelos coletes amarelos em novembro, teve ampla participação dos cidadãos e melhorou a popularidade do chefe de Estado, em queda desde o início do movimento. Esta foi a pior crise enfrentada pelo presidente francês desde sua eleição, em 2017.

Homenagem ao Dia Internacional da Mulher

Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, nesta sexta-feira (8), as representantes dos "coletes amarelos" também organizam na avenida Champs Elysées. A manifestação começou por volta das 11h da manhã no horário local (7h em Brasília).

Depois de quase quatro meses de existência, o movimento se mantém em parte graças às redes sociais, mas perde força. Na semana passada, 39 mil manifestantes foram às ruas em toda a França e 4 mil em Paris. No primeiro fim-de-semana de protestos, em 17 de novembro, foram contabilizados 282 mil pessoas participantes.

Os coletes amarelos surgiram em protesto ao aumento do imposto sobre o preço dos combustíveis e se transformou em um movimento de trabalhadores pobres e de classe média contra a queda do poder aquisitivo na França nos últimos anos.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.