Acessar o conteúdo principal

Fundadora do movimento #MeToo na França é processada por homem que a assediou

A jornalista Sandra Muller lançou o braço do movimento feminista #MeeToo na França.
A jornalista Sandra Muller lançou o braço do movimento feminista #MeeToo na França. ANGELA WEISS / AFP

Ela se tornou célebre por lançar o braço do movimento #MeeToo na França e foi a primeira francesa a denunciar seu predador sexual no Twitter. A jornalista Sandra Muller começa a ser julgada nesta quarta-feira (29) em Paris, acusada de difamação pelo homem que a assediou.

Publicidade

Em 13 de outubro de 2017, Sandra Muller publicou em seu Twitter a mensagem: “#BalanceTonPorc !! Conte você também o nome e os detalhes de um assédio sexual que você vivenciou no trabalho. Espero por vocês”. A jornalista lançava, desta forma, o #BalanceTonPorc (denuncie o seu porco), equivalente ao movimento feminista #MeToo, chamado de #EuTambém no Brasil.

Quatro horas após a primeira mensagem, Sandra voltava ao Twitter e revelava seu assediador em um novo post. “’Você tem seios grandes. Você é o meu tipo de mulher. Vou te fazer gozar a noite inteira’. Eric Brion, ex-chefe do Equidia. #BalanceTonPorc“, publicou a jornalista.

Nas horas seguintes, o movimento viralizou e milhares de francesas revelavam más experiências impostas por predadores no trabalho, seguida da hashtag #BalanceTonPorc. Já o tuíte original, no qual Sandra denunciou o ex-chefe, foi compartilhado mais de 2.500 vezes.

Devido à repercussão do caso, Eric Brion, ex-diretor do canal de TV Equidia, especialista em corrida hípicas, chegou a escrever uma coluna no jornal Le Monde em dezembro de 2017, na qual reconheceu os fatos relatados por Sandra e pediu desculpas à jornalista. No entanto, as “afirmações descabidas” foram feitas “muito tarde em uma festa em que todos estavam alcoolizados”, justificou.

Na coluna, Brion se recusa a ser comparado a Harvey Weinstein e ser retratado como "um predador sexual”. Em outubro de 2017, o ex-produtor americano foi acusado de assédio e agressão por mais de 80 mulheres, entre elas, estrelas de Hollywood, como Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow e Asia Argento.

€ 50 mil por perdas e danos

Meses depois, Brion resolveu processar Sandra por difamação. Ele exige € 50 mil por perdas e danos e € 15 mil por gastos com justiça. Também pede que o tuíte em que seu nome é citado seja apagado.

A jornalista se recusou a conversar com a imprensa antes do início do julgamento. Em seu Facebook, Sandra, que mora nos Estados Unidos, criticou o comportamento do ex-chefe.

“Vejam essa pessoa que primeiramente reconhece que teve uma conduta descabida, pediu desculpas, e bruscamente resolve atacar na justiça”, afirmou advogado da jornalista, Francis Szpiner.

Já Nicolas Bénoit, advogado de Brion, alega que seu cliente “foi destruído” com a “delação”. “Em nenhum momento ele teve possibilidade de se defender, foi acorrentado ao pelourinho”, afirmou.

Sandra Muller foi designada pela revista americana Time como uma das maiores personalidades de 2017.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.