Acessar o conteúdo principal
Notre-Dame/Incêndio

Relógio da Notre-Dame poderá ser reconstruído após descoberta “milagrosa”

O mecanismo do relógio da Notre-Dame ficava no centro do sótão, ou seja, na parte onde o incêndio começou, e derreteu.
O mecanismo do relógio da Notre-Dame ficava no centro do sótão, ou seja, na parte onde o incêndio começou, e derreteu. Captura de vídeo

Um relógio quase idêntico ao da Notre-Dame de Paris, destruído no incêndio de abril, acaba de ser encontrado em outra igreja parisiense. A descoberta, já chamada de “milagrosa”, vai permitir a reconstrução do mecanismo do século 19, que ritmava a vida da catedral.

Publicidade

O artefato que acionava os quatro relógios da fachada da Notre-Dame ficava bem embaixo da agulha. A máquina de três metros de largura, criada em 1867 pelo relojoeiro Collin, derreteu quase completamente no incêndio. O problema é que, ao contrário do telhado e da agulha, ela não foi numerizada e a falta de documentos dificultava sua reconstrução idêntica.

Notre-Dame: o relógio queimado poderá ser refeito graças à descoberta de um relógio idêntico na igreja da Santa Trintade no centro de Paris.
Notre-Dame: o relógio queimado poderá ser refeito graças à descoberta de um relógio idêntico na igreja da Santa Trintade no centro de Paris. Captura de vídeo

Havia inclusive o risco que a Notre-Dame fosse restaurada sem o relógio, que é uma tecnologia considerada hoje ultrapassada. Os profissionais do setor relojoeiro se mobilizaram e chegaram até a criar uma página no Facebook para tentar encontrar dados e elementos que permitissem reconstituir o mecanismo antigo. A descoberta de um objeto quase idêntico vem reforçar o campo dos que defendem sua reconstrução.

Tesouro no sótão da Sainte-Trinité

“O irmão gêmeo” do relógio da Notre-Dame foi descoberto a quatro quilômetros da catedral, no sótão da igreja Sainte-Trinité (Santíssima Trindade), no 9° distrito de Paris. Ele foi encontrado pelo relojoeiro Jean-Baptiste Viot que não esconde sua emoção ao contar o episódio. “Fiquei chocado e não parava de repetir: é incrível! É o mesmo relógio, o mesmo!” Depois de limpar a foligem que cobria a placa de estanho que identifica o artefato, a inscrição confirmou sua suspeita: “ano 1887, contruído por Collin”, isto é, mesmo ano e mesmo construtor que o mecanismo da Notre-Dame.

“É muita sorte. É como se encontrássemos uma outra edição de um livro queimado. É inestimável”, compara Viot.

A ideia não é retirar o mecanismo da Sainte-Trinité. O objeto encontrado vai servir de modelo para fabricar as peças e reconstruir o relógio do Notre-Dame. O relojoeiro da catedral parisiense, Olivier Chandez, quer que a “cópia idêntica” ocupe o mesmo lugar que antes do incêndio, no telhado, embaixo da agulha.

Mas para isso, é necessário que os responsáveis pela restauração da igreja integrem também a reconstrução do relógio no projeto. Chandez garante que ele vai custar menos de 1% das promessas de doação, € 850 milhões, e lembra que “todas as igrejas do mundo têm um relógio, todas”.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.