Acessar o conteúdo principal

Antes de G20, presidente francês chega ao Japão para defender multilateralismo com Shinzo Abe

Shinzo Abe recebe Emmanuel Macron em Tóquio.
Shinzo Abe recebe Emmanuel Macron em Tóquio. LUDOVIC MARIN / POOL / AFP

O presidente francês, Emmanuel Macron, iniciou nesta quarta-feira (26) uma visita oficial ao Japão, dois dias antes da cúpula do G20, em Osaka. Macron deve discutir uma agenda variada com o premiê japonês, Shinzo Abe.

Publicidade

Com informações da enviada especial da RFI ao Japão, Mounia Daoudi

Macron reafirmou o forte compromisso da França com a aliança Renault-Nissan, abalada pelos escândalos envolvendo o ex-patrão, o franco-brasileiro libanês Carlos Ghosn, detido há sete meses.

“É um empreendimento muito importante para nós”, declarou Macron pouco depois de sua chegada a Tóquio.

O presidente francês se encontra durante a tarde com o primeiro-ministro Shinzo Abe, com quem deve também discutir os problemas do cenário internacional, como o braço de ferro comercial entre Washington e Pequim e a tensão crescente entre os Estados Unidos e o Irã.

Defesa do multilateralismo

Abe e Macron compartilham uma mesma preocupação: preservar a ordem multilateral, seriamente abalada desde a chegada de Donald Trump ao poder. Os dois líderes, cujos países presidente este ano o G20 para um e o G7 para outro, querem também sincronizar objetivos para criar uma dinâmica para esses próximos econtros.

Eles também devem encontrar sinergias sobre a questão das desigualdades, do desenvolvimento da Africa e ainda o problema do lixo plástico. Ou seja, encontrar pontos de discussão para que as cúpulas não sejam reféns da guerra comercial entre americanos e chineses há meses.

Macron também vai defender a ideia de ampliar a cooperação industrial, já bastante dinâmica, entre França e Japão para outros setores, como as tecnologias do futuro.

Bolsonaro no G20

Jair Bolsonaro está a caminho do Japão. Entre os encontros bilaterais, o presidente brasileiro deve se encontrar com o líder chinês Xi Jinping. No ano passado, Bolsonaro acusou a China de estar "comprando o Brasil".

 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.