Acessar o conteúdo principal

Mais de 280 torcedores são detidos em distúrbios na França após vitória da Argélia na CAN

Torcedores argelinos comemoram a vitória da Argélia sobre a Nigéria na semifinal da Copa Africana de Nações (CAN) de 2019, na avenida Champs-Elysee, em Paris, 14 de julho de 2019.
Torcedores argelinos comemoram a vitória da Argélia sobre a Nigéria na semifinal da Copa Africana de Nações (CAN) de 2019, na avenida Champs-Elysee, em Paris, 14 de julho de 2019. Abdulmonam EASSA / AFP

A classificação da equipe da Argélia para a final da Copa Africana de Nações (CAN), no domingo (14), gerou novos distúrbios na França. No total, 282 pessoas foram detidas e 249 permanecem sob custódia da polícia em Paris, Lyon e Marselha.

Publicidade

As detenções estão essencialmente relacionadas com as comemorações da conquista da Argélia, após vitória de 2 a 1 contra a Nigéria, mas também com o feriado nacional de 14 de Julho na França, indicou o ministério.

Em Paris, os confrontos entre torcedores e policiais ocorreram principalmente na avenida Champs-Elysées. Milhares de pessoas saíram às ruas da capital francesa para celebrar, mas a festa não terminou bem. Violências e depredações também foram registradas em Marselha e Lyon.

Confrontos com a polícia, vandalismo e uma morte já haviam sido registrados na França após a vitória da Argélia sobre a Costa do Marfim, na última quinta-feira (11). As autoridades francesas estão preocupadas que episódios de violência voltem a se repetir na final da CAN, na próxima sexta-feira (19). A partida será disputada entre a Argélia e o Senegal no Cairo.

Distúrbios no 14 de Julho

Na mesma avenida Champs-Elysées, a polícia deteve mais cedo 175 pessoas durante o desfile militar de 14 de Julho, segundo balanço do Ministério do Interior da França.

A festa nacional francesa foi marcada por protestos de coletes amarelos que vaiaram o presidente Emmanuel Macron. Os manifestantes também destruíram barreiras metálicas de segurança e incendiaram lixeiras.

Três líderes históricos do movimento foram presos e indiciados por organização ilícita de manifestação e rebelião.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.