Acessar o conteúdo principal
Homofobia/futebol

Atos recorrentes de homofobia interrompem jogos de futebol na França

O juiz Clément Turpin interrompeu uma partida por causa de atos homofóbicos da torcida de Nice.
O juiz Clément Turpin interrompeu uma partida por causa de atos homofóbicos da torcida de Nice. VALERY HACHE / AFP

Episódios de homofobia em estádios de futebol continuam atrapalhando as partidas do campeonato francês. O jogo entre Nice e Marselha foi interrompido nesta quarta-feira (28) durante 12 minutos por causa de gritos de torcidas com teor homofóbico.

Publicidade

Paralelamente, em Paris, a comissão de disciplina da Liga de Futebol Profissional (LFP) estava reunida para julgar 18 casos de gritos ou faixas com conteúdo homofóbico nas arquibancadas dos campeonatos da L1 (primeira divisão) e L2 (segunda divisão).

O clube de Nancy, da segunda divisão, foi punido com o fechamento da arquibancada Piantoni, que abriga sua torcida, durante uma partida inteira, por causa dos “gritos de caráter discriminatório” durante o jogo contra o Mans, no último dia 16. Pela primeira vez na história a do futebol francês, o árbitro interrompeu brevemente a partida por causa dos gritos homofóbicos.

Penas leves

Os outros casos envolvendo insultos foram examinados pela Liga e sofreram apenas advertências. As penas aplicadas foram consideradas leves, com o objetivo de ensinar e prevenir.

Mas enquanto o governo e as instâncias envolvidas tentam dar prioridade ao problema, a homofobia nos estádios parece longe de ser solucionada, como mostra a partida Nice-Marselha de ontem, em Nice.

O árbitro Clément Turpin interrompeu o jogo aos 28 minutos, após vários alertas pelos alto-falantes. A partir do 17° minuto, os torcedores da Populaire Sud (de Nice), começaram a gritar contra os marselheses e a Liga.

O juiz acabou mandando as duas equipes aos vestiários.

Ministra elogia juiz

A secretária de Estado para a igualdade entre mulheres e homens, Marlène Schiappa, elogiou a postura do juiz pelo Twitter por ele ter interrompido a partida.

“Não é possível parar todos os jogos a cada vez que os idiotas gritam, assim não vamos jogar nunca”, declarou o jogador Wylan Cyprien, do Nice. “Esses gritos e insultos vindos dos torcedores sempre existiram, faz parte do jogo”, acrescentou, deixando claro também ser contra “todo tipo de discriminação”.

Esses incidentes vêm acontecendo desde o início da temporada. No final de semana passado, as partidas Brest-Reims e Mônaco-Nîmes também tiveram de ser suspensas por alguns minutos.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.