Acessar o conteúdo principal

Três mil pacientes farão tratamento com maconha medicinal na França

Destaque no jornal Libération para os avanços na França na legalização da maconha medicinal.
Destaque no jornal Libération para os avanços na França na legalização da maconha medicinal. Reprodução liberation.fr

A França dá um passo adiante para legalizar a maconha medicinal e o assunto é abordado pelo jornal Libération desta sexta-feira (18) . Há dois dias, deputados franceses se manifestaram majoritariamente a favor da autorização de um projeto piloto para financiar o tratamento com a cannabis terapêutica a três mil pacientes.

Publicidade

Nesta fase inicial do teste, participarão indivíduos que sofrem de dores neuropáticas, com alguns tipos de epilepsia, câncer, esclerose e com outras doenças do sistema nervoso central. A lei de financiamento para que o medicamento seja reembolsado pela seguridade social francesa deve ser promulgada no final deste ano. Já o primeiro grupo de participantes começará a receber o tratamento com a canabis medicinal a partir do primeiro semestre de 2020.

A matéria destaca que, em janeiro deste ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) propôs rever a classificação da cannabis como droga e reconhecer as propriedades medicinais da planta. Na França, um decreto de 2013 já havia concedido a autorização para que alguns medicamentos para o tratamento da esclerose usassem a substância em sua composição, mas os produtos jamais chegaram às farmácias por falta de um acordo sobre o preço final.

Médicos já podem receitar cannabis terapêutica

Libé ressalta que na França "é comum que pacientes comprem maconha ilegalmente. Outros atravessam as fronteiras e adquirem a erva medicinal fora do país, graças a uma receita que médicos franceses podem fornecer".

O autor do projeto de lei que pode legalizar a maconha medicinal na França é o deputado Olivier Véran, do partido governista A República em Marcha. Entrevistado pelo jornal, ele lembra que esse tipo de tratamento já é até mesmo autorizado pela Agência Nacional do Medicamento.

Libé destaca que o deputado centrista é neurologista e, para propor o projeto, se inspirou no caso de um paciente de 30 anos, que não conseguia mais trabalhar, apresentava forte risco de suicídio e tomava morfina. Após três meses realizando um tratamento com a maconha medicinal, o homem deixou de lado os medicamentos alopáticos e pôde retomar sua vida profissional.

Apesar de otimista, Véran sabe que há um longo caminho a ser percorrido. Um comitê liderado pelo psiquiatra Nicolas Authier, especialista em dependência química, terá a missão de liderar uma equipe que vai selecionar medicamentos que serão utilizados no experimento. Fazem do grupo parte profissionais encarregados de informar o público sobre o que é a cannabis medicinal e qual sua função terapêutica.

O deputado autor da iniciativa comemora o avanço. Segundo ele, apesar das diferentes opiniões que os franceses têm sobre a maconha, é preciso um consenso nacional sobre os fins medicinais da substância. O projeto de lei será analisado em segunda leitura pela Assembleia Nacional francesa na próxima semana.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.