Acessar o conteúdo principal

Marina "estrela" das eleições no Brasil segundo imprensa francesa

Marina Silva, candidata do partido PV.
Marina Silva, candidata do partido PV. Reuters

A votação expressiva da candidata Marina Silva que impediu Dilma Roussef de ganhar no primeiro turno e a indefinição sobre o destino dos votos ecologistas para o segundo turno deram o tom das reportagens publicadas nesta terça-feira pela imprensa francesa sobre as eleições presidenciais no Brasil.

Publicidade

Marina, "sombra verde" de Lula, escreveu em título o jornal Libération, ao lado de uma foto da candidata do PV sorrindo em seu comitê de campanha após os resultados. Por trás de uma aparência frágil de um corpo que já resistiu até a malária, está uma mulher determinada que sai das eleições com a força de quem pode ajudar a definir o segundo turno, diz o Libé.

O jornal fez um resumo da vida e da trajetória política de Marina Silva e afirma que sua votação foi uma "bofetada" em Dilma Roussef. Ao mesmo tempo, afirma o jornal, o sucesso dela garante as chaves do palácio do Planalto à candidata escolhida por Lula.

Já o jornal conservador Le Figaro escreve que os "Verdes" obrigaram Dilma à ir para o segundo turno. A reportagem destaca o comentário de Marco Aurélio Garcia, braço direito do presidente Lula de que os votos em Marina vieram de eleitores descontentes com Serra, de petistas e dos religiosos.

Seguidora da Igreja Universal de Reino de Deus, Marina declarou abertamente ser contra o aborto, tema que desencadeou uma ataque feroz contra a candidata Dilma, chamada de anticristã, escreve o Le Figaro. Para a correspondente do jornal, Marina agora está em uma situação complicada. Seu partido defende uma aliança com José Serra, mas ela poderá ser acusada de traição pela esquerda depois de ter passado 20 anos no PT.

Le Parisien afirma em título que para ser presidente brasileira, Dilma Roussef vai precisar dos votos dos ecologistas. A "Dama de Ferro", como é conhecida, segundo jornal, pensava ganhar no primeiro turno mas sua suposta postura favorável à descriminalização do aborto lhe tirou muitos votos. 

"Bancada da bola"

O católico La Croix escreve que Dilma Rousseff é obrigada a ir ao segundo turno. Apesar da vitória prevista e com uma margem de votos parecida com a de Lula contra José Serra em 2002, a candidata petista teve sua campanha abalada pelos escândalos de corrupção que, segundo La Croix, desanimaram muitos eleitores que mudaram o voto para Marina Silva.

O jornal comenta a expectativa em torno dos eleitores do Partido Verde para o segundo turno e considera que, mesmo mais próxima politicamente de Dilma Rosseff, Marina não decidiu quem apoiar e cita o caso do cineasta Fernando Meirelles, seu conselheiro de campanha, que já anunciou seu voto em José Serra no 2° turno.

O jornal católico ainda dedicou uma página para falar da eleição do ex-jogador de futebol Romário. O enviado especial do jornal fez um perfil do craque e entrevistou um taxista que votou no campeão mundial de 94, seduzido por suas promessas de luta para ajudar jovens, especialmente os deficientes, através do esporte. La Croix fala até em uma "bancada da bola" no Congresso brasileiro e garante que Romário animará muitos debates, pelo menos, em dias de jogos importantes.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.