Acessar o conteúdo principal
Le Monde/imprensa

'Indignados' brasileiros querem fim da corrupção, diz Le Monde

Marcha contra corrupção no Rio de Janeiro, no dia 7 de setembro de 2011
Marcha contra corrupção no Rio de Janeiro, no dia 7 de setembro de 2011 Foto: Reuters

O jornal Le Monde dedica uma matéria nesta sexta-feira ao movimento brasileiro de jovens, inspirado dos Indignados espanhóis, que foram às ruas pelas primeira vez na quarta-feira, dia 7 de setembro, dia da Independência do país.

Publicidade

Segundo a polícia, a ‘Marcha contra a Corrupção’, reuniu 25 mil pessoas em Brasília, mas outras 40 cidades foram palco de protestos, organizados pelas redes sociais ou Orkut. Segundo o Le Monde, um fato desencadeou a revolta dos brasileiros : a deputada Jacqueline Roriz (PMN-DF), que teria recebido propina do ex-secretário de Relações Institucionais do DF, Durval Barbosa, delator do esquema conhecido como Mensalão do Democratas.

Envolvida em diversos escandâlos de corrupção, ela foi recentemente absolvida na Câmara de Deputados. Outras figuras emblemáticas, como o ex-presidente José Sarney, ou o presidente da Confederação Brasileira de Futebol, Ricardo Teixeira, alvo de outras denúncias, também suscitam a indignação dos jovens brasileiros, destaca o jornal.

Os recentes escândalos que provocaram a saída de três ministros contribuíram para dar ainda mais força ao movimento. O Le Monde lembra que os jovens brasileiros não são contrários à presidente Dilma Rousseff, mas exigem que ela faça uma "faxina" na administração pública, uma de suas promessas de campanha. Alguns setores do PT defendem que onda de protestos é fruto de uma "conspiração da mídia" contra a coalizão governamental de centro-esquerda.

De acordo com dados divulgados pela imprensa brasileira, entre 2002 e 2008, a corrupção custou aos cofres do governo cerca de 40 bilhões de reais. As obras para sediar a Copa do Mundo em 2014 e as Olimpíadas em 2016 deverão influenciar negativamente essas estatísticas : o superfaturamento nas licitações é uma prática comum no país, finaliza o Le Monde.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.