Acessar o conteúdo principal
França

Grupo feminista Nem Putas Nem Submissas vive grave crise interna

Áudio 04:15
A nova presidente do grupo Nem Putas Nem Submissas, Asma Guenifi.
A nova presidente do grupo Nem Putas Nem Submissas, Asma Guenifi. Flickr/niputesnisounmises

No final de 2002, uma jovem foi cruelmente assassinada pelo namorado ciumento em um subúrbio parisiense. Um grupo de mulheres organiza a “marcha das mulheres de subúrbios pela igualdade e contra os guetos" e daí nasce o movimento "Nem Putas Nem Submissas" (NPNS). O grupo recebeu grande repercussão midiática, que culminou em 2007, quando a socialista Fadela Amara, então presidente da NPNS, deixou o posto para assumir a secretaria de Assuntos Urbanos do governo Fillon, de direita. O grupo vive no momento uma grave crise interna, com denúncias de desvio de verbas que levou à renúncia da antiga presidente e à eleição de uma nova. Ouça neste programa uma entrevista com a socióloga Nacira Guénif-Souilamas, da universidade Paris 8, pesquisadora de assuntos sociais envolvendo imigração, discriminação e integração.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.