Acessar o conteúdo principal
América Latina/Desemprego

Desemprego recuou nas zonas urbanas da América Latina em 2011

Segundo a OIT, o crescimento econômico na região é o principal responsável pela queda do desemprego.
Segundo a OIT, o crescimento econômico na região é o principal responsável pela queda do desemprego. Reuters

O desemprego registrou uma queda importante na maior parte dos países da América Latina no ano passado. Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), em 2011 o número de desempregados nas zonas urbanas da região caiu entre 6,8% e 7,6%, atingindo o nível mais baixo desde meados da década de 1990.

Publicidade

O relatório apresentado nesta quinta-feira revela que 15,4 milhões de pessoas estavam desempregadas na América Latina em 2011, o que representa 700 mil a menos que o número registrado no ano anterior. Ainda de acordo com a organização, a maioria dos países da região criou novos empregos durante o período analisado. Até o mês de outubro, o Brasil registrava uma taxa de desemprego de 6,2%, índice menor que o de países como Argentina (7,3%), Chile (7,3%) e Colômbia (11,3%), mas ainda superior aos vizinhos do México (5,3%), do Uruguai (6,1%) e do Panamá (4,5%).

Segundo Elizabeth Tinoco, diretora da OIT para a região, o crescimento econômico é o responsável por esses resultados. Graças ao contexto atual, “a taxa de desemprego em 2011 (na América Latina) foi a mais baixa deste século”, disse ela. Mas a responsável lembra que a situação pode mudar ainda este ano, e alerta para os riscos de estagnação em razão da crise econômica internacional.

A OIT também festeja o fato de que no ano passado o valor médio das remunerações aumentou (+1,5%) e que os salários mínimos na região cresceram 4,5%. O relatório também enfatiza que as condições de trabalho e proteção social melhoraram, mesmo se ainda há muitos desafios sobre o assunto. O documento lembra, por exemplo, que no final da década de 2000, 40% dos empregados em zona urbana na América Latina não tinham nenhuma forma de seguro saúde e 43,5% não contribuíam para nenhum sistema de aposentadoria.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.