Acessar o conteúdo principal
Síria/crise

Observadores da ONU são impedidos de visitar local de novo massacre na Síria

Reprodução de vídeo com imagem de corpos de vítimas de tropas do goevrno sírio em Hama.
Reprodução de vídeo com imagem de corpos de vítimas de tropas do goevrno sírio em Hama. REUTERS/Shaam News Network

Os observadores das Nações Unidas foram impedidos de visitar hoje o vilarejo de Al-Koubeir, na Síria, onde pelo menos 55 pessoas morreram. O chefe da missão, o general Robert Mood, declarou que o exército de Bachar-al Assad colocou barreiras para evitar a entrada do grupo.

Publicidade

Em um comunicado, o chefe da missão de observadores da ONU, Robert Mood, disse que os observadores foram até empurrados ao tentarem visitar o vilarejo de Al-Koubeir. Moradores da região informaram aos observadores das Nações Unidas que eles poderiam correr risco de vida se insistissem em ultrapassar as barreiras colocadas pelo exército. “Apesar de todos esses desafios, nossos observadores continuam a tentar entrar na cidade e verificar os fatos”, declarou Mood.

Segundo o Observatário Sírio dos Direitos Humanos, ontem 55 pessoas morreram, incluindo 18 mulheres e crianças, no vilarejo que fica na provícia de Hama, no centro no país. Já o Conselho Nacional Sírio, principal força da oposição, chegou a falar de 80 vítimas fatais. O governo sírio, porém, nega a existência desse novo massacre.

Se for confirmada, esta será a segunda matança em menos de duas semanas na Síria. Em Houla, também no centro do país, 108 pessoas morreram, sendo 49 crianças e 34 mulheres. Os rebeldes e o governo trocam acusações sobre a autoria do massacre. A ONU, entretanto, diz ter  “fortes suspeitas” de que as mortes tenham sido provocadas por milícias favoráveis a Bachar al-Assad.

À televisão oficial, uma fonte do governo não-identificada afirmou que essas informações são falsas e que a Síria proporciona livre acesso e livre circulação a todos os observadores presentes no território sírio. A missão da ONU está no país desde o último dia 15 de abril. O envio do grupo é um dos pilares do plano de paz elaborado pelo emissário especial das Nações Unidas, Kofi Annan, para a Síria.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.