Acessar o conteúdo principal
Saúde

Casos de dengue no mundo são o triplo do estimado pela OMS, diz novo estudo

Áudio 04:21
A dengue é transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti; um grupo de pesquisadores afirma que a doença tem um alcance maior do que se imaginava.
A dengue é transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti; um grupo de pesquisadores afirma que a doença tem um alcance maior do que se imaginava. Flickr

Cerca de 390 milhões de pessoas são infectadas por ano pela dengue, a doença tropical que se espalha mais rápido em todo o mundo. O número, divulgado nesta semana por um grupo de pesquisadores da universidade de Oxford e da fundação Wellcome, é mais que o triplo do estimado pela Organização Mundial da Saúde.

Publicidade

Jeremy Farrar, diretor da unidade de doenças tropicais da Universidade de Oxford no Vietnã, participou desse mapeamento detalhado da dengue no mundo e explicou para a RFI Brasil como o estudo foi realizado.

"Reunimos todos os indícios presentes nas pesquisas publicadas e informações ainda não divulgadas. Coletamos mais de oito mil dados, o que não tem precedentes no que diz respeito à dengue", disse ele.

Segundo as estimativas do grupo de pesquisadores, há anualmente 96 milhões de casos graves e aproximadamente 300 milhões de casos moderados ou assintomáticos. 70% dos casos graves de dengue ocorrem na Ásia. A Índia responde sozinha por 34% do total. Já as Américas, principalmente o Brasil e o México, têm 14% dos casos graves, praticamente a mesma porcentagem da Africa.

Jeremy Farrar afirma esperar que esse mapeamento leve os governos dos países afetados a investirem mais recursos no combate à doença, que é muitas vezes negligenciada.

"Dengue é uma doença muito variável. Pode ser qualquer coisa entre uma infecção muito leve, que somente obriga as pessoas a faltarem na escola ou no trabalho por alguns dias, e uma doença muito grave. E talvez esses números antigos subestimassem essas infecções mais leves, que não eram notificadas às autoridades sanitárias. Mas elas ão muito importantes porque é o que ajuda a transmitir a doença e a fazer com que ela continue sendo endêmica em certos países", explica o pesquisador.

Para Alberto Chebabo, chefe do Serviço de Doenças Infecciosas e Parasitárias do hospital da Universidade Federal do Rio de Janeiro, esse mapeamento prova com números o que os pesquisadores da área já suspeitavam, ou seja, de que as notificações estão muito abaixo do número real de casos.

O Ministério da Saúde brasileiro anunciou na semana passada que o número de casos de dengue registrados no primeiro trimestre deste ano teve um aumento de 279% em relação ao mesmo período do ano passado. De janeiro a março foram registradas 108 mortes, o que já ultrapassa o total de todo o ano de 2012.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.