Acessar o conteúdo principal
Reportagem

Projeto pode autorizar trabalho de médicos cubanos em regiões isoladas do Brasil

Áudio 04:32
Proposta do governo é contestada pelo Conselho Federal de Medicina
Proposta do governo é contestada pelo Conselho Federal de Medicina Getty Images/Burke/Triolo Productions

O governo brasileiro estuda a contratação temporária de seis mil médicos cubanos para trabalhar em regiões pobres do norte e nordeste. A medida visa diminuir a falta de profissionais de saúde em áreas de difícil acesso. As negociações estão sendo conduzidas com a Organização Panamericana da Saúde, mas o projeto não agradou o Conselho Federal de Medicina. Em entrevista, o presidente em exercício do conselho, Carlos Vital, afirma que o acordo não prevê a revalidação do diploma destes médicos. Ele aponta que exames feitos recentemente mostram que a formação no exterior muitas vezes é insuficiente para os padrões exigidos no Brasil.

Publicidade

Cuba já havia firmado anteriormente outro acordo semelhante na área da saúde com a Venezuela, quando 30 mil médicos trabalharam em bairros pobres daquele país. Em troca, o governo venezuelano ofereceu petróleo a taxas preferenciais. A contrapartida brasileira no envio de médicos prevê o financiamento para a modernização de cinco pistas de pouso em Cuba.

O mais recente estudo demográfico feito pelo Conselho Federal de Medicina, mostra que a região sudeste tem mais que o dobro de médicos por habitantes em relação ao norte e nordeste. Ainda assim, a média nestas duas regiões está dentro dos padrões estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.