Acessar o conteúdo principal
Israel/Palestina

Negociações de paz entre israelenses e palestinos serão retomadas dia 14 de agosto

O negociador palestino Saeb Erekat (esquerda), o secretário de Estado americano, John Kerry, e a ministra israelense da Justiça, Tzipi Livni, no fim da rodada de diálogos entre Palestina e Israel, em Washington, no dia 30 de julho de 2013.
O negociador palestino Saeb Erekat (esquerda), o secretário de Estado americano, John Kerry, e a ministra israelense da Justiça, Tzipi Livni, no fim da rodada de diálogos entre Palestina e Israel, em Washington, no dia 30 de julho de 2013. REUTERS/Jonathan Ernst

Os Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira, dia 8 de agosto, que as negociações de paz entre israelenses e palestinos - cuja primeira rodada terminou no final de julho, em Washington - serão retomadas a partir do dia 14 de agosto. Durante o anúncio, o país voltou a criticar a continuidade da colonização israelense na Cisjordânia e em Jerusalém Leste. Nesta tarde, Israel autorizou a construção de 800 novos assentamentos na região.

Publicidade

O comunicado da retomada dos diálogos de paz entre israelenses e palestinos foi feito nesta quinta-feira pela porta-voz do departamento de Estado americano, Jennifer Psaki, em Washington. “As negociações continuarão no dia 14 de agosto em Jerusalém e terão uma reunião em Jericó”, informou. Os encontros serão mediados pelo embaixador americano Martin Indyk e não mais pelo secretário de Estado americano, John Kerry, reiterou a porta-voz.

Ela ressaltou que Washington exprimiu sua preocupação a seu aliado Israel sobre a continuação da construção de assentamentos na Cisjordânia e em Jerusalém Leste. “Nós não aceitamos o prosseguimento da colonização. O secretário de Estado [John Kerry] disse claramente o que ele pensava quando as duas partes se sentaram à mesa dispostas e engajadas a colaborar para avançar”, disse Psaki.

O anúncio da retomada das negociações acontece no mesmo dia em que Israel autorizou a construção de 800 novos assentamentos na Cisjordânia. O início das obras ainda depende da autorização do premiê Benjamin Netanyahu, de acordo com Guy Inbar, porta-voz da administração israelense. A interrupção das construções na região é uma das exigências dos palestinos para a obtenção de um acordo.

Depois de três anos de bloqueio e de sessenta anos de um conflito histórico, o negociador palestino, Saeb Erekat, e a ministra israelense da Justiça, Tzipi Livni, reabriram as rodadas de diálogo direto nos dias 29 e 30 de julho em Washington, sob a mediação do secretário de Estado americano, John Kerry. Na ocasião, os dois campos disseram estar dispostos a fechar um acordo de paz no prazo de nove meses.

 

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.