Acessar o conteúdo principal
Egito/Conflito

Polícia egípcia dispersa protesto de pró-islâmicos com gás lacrimogênio

Polícia reprime manifestação de simpatizantes do ex-presidente Mohamed Mursi.
Polícia reprime manifestação de simpatizantes do ex-presidente Mohamed Mursi. REUTERS/Amr Abdallah Dalsh

Nesta sexta-feira, a polícia egípcia entrou novamente em confronto com manifestantes a favor do ex-presidente Mohamed Mursi, deposto no último dia 3 de julho. As forças de ordem usaram bombas de gás lacrimogênio para dispersar a multidão, que respondeu atirando pedras e bloqueando estradas com pneus incendiados. Quase 200 pessoas foram presas.  

Publicidade

Os conflitos aconteceram no bairro de Mohandessin, no Cairo, mas outros protestos foram reprimidos nas cidades de Suez, el-Mahalla e Qena. Um repórter da AFP foi testemunha do uso de gás lacrimogênio pela polícia na capital. Ele também relatou que tiros form ouvidos.

Essas são as primeiras manifestações pró-Mursi que acontecem desde que o presidente interino Adly Mansur promulgou uma lei no último domingo que criminaliza qualquer aglomeração que não tenha sido previamente autorizada pelo ministério do interior.

Na quinta-feira, véspera do dia em que tradicionalmente os islamitas saem às ruas, o ministério emitiu um comunicado afirmando que agiria de maneira "firme e categórica" contra "a organização de qualquer aglomeração, passeata ou manifestação ilegal". A nova lei também obriga organizadores a informar qualquer movimento às autoridades, com três dias úteis de antecedência. O pedido é submetido então à aprovação do ministério do Interior.

Desde que assumiu o poder, o governo interino estabelecido pelo exército reprime com extrema violência a Irmandade Muçulmana, grupo político a que pertence o ex-presidente. Além de matar mais de mil manifestantes, as forças de ordem prenderam quase todos os líderes da confraria - Mursi entre eles. Mas agora, o governo passou também a dirigir a repressão aos movimentos laicos da juventude, que encabeçaram a revolta popular que tirou Hosni Mubarak do poder, no início de 2011.

Prisões

Na última terça-feira, uma manifestação laica foi controlada com jatos de água e gás lacrimogênio. Sessenta pessoas foram presas - entre elas, quinze jovens mulheres, que foram largadas pela polícia em uma rodovia deserta a alguns quilômetros da capital. Na noite de quinta-feira, o governo prendeu em sua residência Alaa Abdel Fattah, um dos principais ativistas do movimento laico pela democracia no Egito. Pelo Twitter, a mulher de Fattah denunciou ter sido agredida pelos policiais durante a ação.

Ahmed Maher, fundador do movimento 6 de abril que encabeçou a revolta de 2011, também é procurado pela polícia por contrariar a polêmica lei adotada no último domingo. Ao longo da semana, uma série de organizações de direitos humanos denunciou o texto. A ONU pediu que sejam estabelecidas sanções contra o Egito.

Além da nova lei, contribuíram para o aumento das tensões em torno das últimas manifestações o fato de que um estudante foi morto pela polícia na quinta-feira na Universidade do Cairo e a condenação de 21 mulheres - entre elas, sete menores -, acusadas de incitar a violência durante manifestações em Alexandria, em outubro. A imagem das moças recebendo seu veredicto dentro de uma jaula nesta quarta-feira aumentou a desconfiaça internacional com o governo interino.

A Anistia Internacional exigiu a libertação "imediata e incondicional" dessas "presas políticas" e denunciou o esforço das autoridades egípcias em punir qualquer contestação. "As pesadas penas de prisão dessas jovens mulheres acontecem depois da adoção de uma lei draconiana sobre as manifestações e da dispersão violenta de militantes no Cairo", declarou Hassiba Hadj Sahraui, vice-diretora da organização para o Oriente Médio e o norte da África.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.