Acessar o conteúdo principal
Meio Ambiente

Ovelhas substituem cortadores de grama em Paris

Áudio 05:51
Em Issy les Moulineaux, ao sul de Paris, ovelhas pastam ao lado dos trilhos do metrô desde 2010.
Em Issy les Moulineaux, ao sul de Paris, ovelhas pastam ao lado dos trilhos do metrô desde 2010. RFI

Em meio a paisagens urbanas marcadas pelo concreto e o asfalto, cabras e ovelhas se divertem no gramado. Elas não recebem salário, mas se tornaram responsáveis pela manutenção da grama em várias empresas e praças públicas em Paris e nas cidades vizinhas. A chamada “ecopastagem” substitui as barulhentas máquinas e reintroduz animais do campo em um ambiente cada vez mais hostil à natureza.  

Publicidade

A prática existe há 10 anos na França, e desembarcou no ano passada na capital e arredores. Cerca de 200 animais estão distribuídos por gramados da região, com a tarefa de manter a grama em dia. Os locais mais usados são onde há subidas, de mais difícil acesso para as máquinas.

O empresário Sylvain Girard foi um adepto da ecopastagem e gostou tanto da ideia que acabou abrindo a própria empresa de aluguel de ovelhas. Ele destaca que, para o bem-estar dos animais, é preciso uma área verde de pelo menos 3 mil metros quadrados. Por isso, não é qualquer um que pode adotar esta prática no quintal.

“É preciso um mínimo de duas ovelhas. São animais que não gostam de ficar sozinhos, e se você colocar só um ele vai ficar deprimido. Nós compramos regularmente ovelhas de pessoas que compraram uma, achando que seria simples como uma máquina de cortar grama”, conta. “Então elas não cuidavam direito e as ovelhas ficavam com uma saúde frágil.”

Acompanhamento e câmeras de segurança

A cada duas semanas, um funcionário avalia a saúde das ovelhas e verifica as condições do rebanho, que é monitorado até por câmeras de segurança. Como as áreas envolvidas são amplas, ficam isoladas dos barulhos da cidade, como buzinas, sem perturbar a tranquilidade dos animais. Em geral, os contratos para a instalação de ovelhas em um gramado têm duração de um ano.

Sylvain Girard afirma que a ecopastagem reduz os custos de jardinagem do gramado em cerca de 20%. O fundador da Ecomouton explica que esta solução ainda fertiliza o solo.

“A ovelha come a grama e produz adubo. Ela também elimina o que gente chama de capim, ou seja, ao comer primeiro toda a vegetação que a gente não gosta, ele cuida do terreno. O que ele come por último é a grama”, afirma.

Fazenda na cidade

Em Issy-les-Moulineaux, ao sul de Paris, uma dezena de ovelhas se encarrega de manter o gramado em torno dos trilhos ferroviários. A dona de casa Sônia mora em frente ao local, e adorou poder sentir um pouco do clima do interior em plena cidade. “É uma idéia original. Estamos bem ao lado de Paris e temos a impressão de estar em uma fazenda, com ovelhinhas. Gosto de vê-las pela janela. Às vezes tem até bebezinhos!”, relata a francesa. “Foi muito legal terem feito isso, e ainda por cima é ecológico. Nos faz esquecer completamente que o trem passa logo acima, porque agora a gente só olha para o pasto e as ovelhas.”

Na esquina, o dono do restaurante indiano percebeu que a presença das ovelhas trouxe mais movimento de famílias ao estabelecimento. “Os clientes gostam muito. Quando eles terminam de almoçar, eles levam as crianças para passear por ali, mostram as ovelhas, tiram fotos, às vezes fazem vídeos. É como uma fazendinha”, diverte-se.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.