Acessar o conteúdo principal
Meio Ambiente

Secas repetidas podem transformar Amazônia em poluidora

Áudio 03:44
Floresta Amazônica, em  Manaus.
Floresta Amazônica, em Manaus. LecomteB/Wikimedia Commons

A seca pode fazer a Amazônia se transformar em uma gigantesca fonte de emissões de dióxido de carbono, um dos principais gases de efeito estufa. Um estudo realizado por um grupo internacional de pesquisadores, com a participação do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN), observou que as chuvas interferem mais do que a temperatura na capacidade da Floresta Amazônica absorver gás carbônico.

Publicidade

Os cientistas estudaram a entrada e a saída de gases da floresta nos anos de 2010, marcado por uma seca histórica, e 2011, com volume de chuvas acima da média. A pesquisa contou com voos regulares em quatro áreas da Amazônia, em diferentes altitudes, para coletar amostras do ar.

A conclusão foi que em um ano normal, com bastante chuvas, a floresta quase não emite gases. Mas quando a seca é intensa, a situação se torna dramática, como explica Luciana Gatti, a principal autora do estudo, publicado na revista científica Nature.

“A vegetação entrou em extremo estresse e diminuiu a fotossíntese. E quando a planta entra em estresse por falta de água, a relação respiração-fotossíntese fica desequilibrada”, afirma. “Ela começa a fazer menos fotossíntese do que respiração, ou seja, ao invés de acumular gás carbônico, ela elimina mais.”

Queimadas pioram o quadro

Luciana lembra que as queimadas têm um papel importante nesta situação, uma vez que se alastram por mais regiões quando o clima está seco. “O fogo é uma das etapas do manejo dos pequenos agricultores. E com uma seca muito intensa, essas queimas ficam incontroláveis.”

Se por lado, a notícia boa é que 2010 foi um ano excepcionalmente seco, por outro a pesquisa alerta sobre os riscos do aumento dos fenômenos extremos para a Amazônia. Os climatologistas advertem que uma das principais consequências das mudanças climáticas é o desequilíbrio das estações, com a ocorrência de calor, frio, chuvas ou secas incomuns.

“No cenário geral, as precipitações na Amazônia estão com tendência de aumento. O problema é que os eventos extremos também estão aumentando, e se a freqüência disso piorar, haverá um impacto significativo sobre a floresta”, destaca.

Nos últimos 10 anos, houve a ocorrências de duas secas anormais na Amazônia, em 2005 e 2010. Apesar de várias regiões do Brasil estarem sofrendo com o problema neste verão, por enquanto a situação está normal na maior floresta do planeta.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.