Acessar o conteúdo principal
Futebol

Copa do Mundo de Crianças de Rua termina com vitória do Brasil

Seleção brasileira de meninas de rua que participam de torneio no Rio de Janeiro.
Seleção brasileira de meninas de rua que participam de torneio no Rio de Janeiro. Divulgação

A seleção brasileira feminina de futebol venceu a Copa do Mundo de Crianças de Rua que terminou neste domingo (6) no Rio de Janeiro. A competição reuniu 230 meninos e meninas de 19 países. As finais masculinas e femininas foram disputadas na sede do Fluminense. 

Publicidade

A pouco mais de dois meses para o começo da Copa do Mundo, a competição que reuniu crianças de rua de 19 países terminou neste domingo no Rio de Janeiro. Entre as meninas, a seleção brasileira venceu a seleção das Filipinas. A decisão dos meninos opôs a Tanzânia e o Burundi.

Batizada de “Street Child World Cup”, em inglês, a competição foi criada pela ONG britânica Save the Children na Copa da África do Sul, em 2010. Segundo a ONG, o torneio é mais do que um jogo. “Em todo mundo, milhões de crianças moram e trabalham nas ruas. A Copa do Mundo de Crianças de Rua é uma campanha global para que essas crianças recebam proteção e oportunidades que todas as crianças merecem”, diz a ONG. “Através do futebol e da arte (...) nosso objetivo é o de desafiar a visão negativa que se tem das crianças de rua”, afirma entidade organizadora.

Durante os dias da competição, que começou no domingo passado, as crianças com idades entre 14 e 17 anos participaram de uma série de workshops artísticos e passeios pelo Rio de Janeiro. A companhia de teatro carioca “Nós do Morro”, que fica no morro do Vidigal foi uma dos locais escolhidos para receber as crianças participantes do torneio.

Em entrevista à RFI, o diretor de marketing do Fluminense, Alexandre Vasconcellos, explicou a importância social do evento. “Só o fato de competir e de estar envolvido em um projeto como esse já é uma vitória para todas as crianças”, declarou. “Essa é uma vitória de pessoas que nasceram e conviveram com dificuldades imensas e que estão achando um caminho para se reinserir em uma sociedade que tende a rejeitá-las”.

Futuro profissional

As crianças de rua dos cinco continentes fazem parte de projetos sociais selecionados pela ONG Save the Children. Mas, se o objetivo principal é a recuperação das crianças, o futuro profissional dos pequenos craques também pode estar em jogo.  "O futebol talvez seja, em escala global, o maior sonho de uma criança. O futebol tem a capacidade de gerar esse sonho e essa fantasia de chagar a ser um jogador de alto nível. Essa realidade, infelizmente, é para poucos”, lamenta Vascocellos.

Ele argumenta, no entanto, que “quase todos os grandes jogadores de futebol têm esse histórico. Eles vêm das faixas inferiores da pobreza, de miséria. São crianças que acabam encontrando um funil muito agressivo, muito selvagem, mas isso acaba as motivando. Mas o bonito desse projeto é que, independentemente de as crianças se tornarem jogadores profissionais, o foco é a recuperação social”, afirmou o diretor de Marketing do Fluminense.

Em mensagem para os meninos e meninas que participaram da competição, o ex-jogador da seleção brasileira e campeão mundial Bebeto incentivou as crianças e disse “sonhar não custa nada”.

Veja uma seleção dos melhores momentos da competição:

 

 

 

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.