Acessar o conteúdo principal
Reportagem

Brasil lidera luta contra hegemonia dos EUA na rede

Áudio 03:36
Presidente Dilma Rousseff durante abertura da NETmundial em São Paulo.
Presidente Dilma Rousseff durante abertura da NETmundial em São Paulo.

Após descobrir no ano passado que a agência de inteligência norte-americana NSA havia interceptado suas comunicações, a presidente Dilma Rousseff acelerou a luta no combate à hegemonia contra monopólio dos Estados Unidos na web, colocando o Brasil na vanguarda do processo. Foi então que surgiu a ideia do NetMundial, encontro sobre a governança da Internet que termina nesta quinta-feira (24) em Sao Paulo.

Publicidade

Com a colaboração de Camila César

Diego Canabarro, pesquisador em Política na Era Digital e Governança da Internet, explica que mesmo que os Estados Unidos tenham manifestado uma abertura no sistema atual de gestão da rede, a maior parte das empresas de bens e serviços ligados à internet são americanas, o que mostra que o processo de reformulação da governança do ciberespaço ainda terá que enfrentar muitas etapas.

Para o pesquisador, a crítica do governo brasileiro para a questão concretiza uma vontade antiga do país na busca de alternativas para combater a dominancia dos EUA na rede.

"Desde o início do processo de institucionalização de governança da internet em 1998 e, mais especificamente, a partir das reuniões da Cúpula Mundial para as Sociedades de Informação de 2003 e 2005, o Brasil já vem tentando mostrar para o mundo que é necessário uma democratização do ciberespaço, que é necessário que países desenvolvidos e menos desenvolvidos sejam integrados no processo de determinar como vai se dar o avanço da tecnologia pelo planeta", afirma.

Vanguarda brasileira

O professor de design digital e pesquisador Gilberto Consoni também chama a atenção para a necessidade de criar condições estruturais viáveis nos países para que o projeto se concretize, mas aponta o lugar privilegiado que a internet ocupa na economia norte-americana. Segundo os dados divulgados pelo país, as perdas após o vazamento de informações do ano passado podem chegar a 35 bilhões de dólares em 2016.

Consoni também destaca o papel pioneiro do Brasil na luta pela democratização das comunicações e pela preocupação com a segurança na rede, que resultou no Marco Civil aprovado na última terça-feira (22) pelo Senado e sancionado ontem pela presidente Dilma durante a abertura do NetMundial, em São Paulo. "Há anos se discute a questão da liberdade de expressão na rede e o governo foi bastante cuidadoso nisso. Chamou tanto a sociedade civil, que é a principal interessada, as empresas e setor político para debater o tema", adiciona.

A atenção que o Brasil tem dado à necessidade de lançar um novo olhar sobre a atual situação do controle da Internet no mundo tem sido elogiada pela Organização das Nações Unidas desde os anos 2000. Para os pesquisadores, a visibilidade que o tema ganhou depois das denúncias do ano passado tem a importante tarefa de alertar o mundo para a maneira desequilibrada como o ciberespaço vinha sendo governado até então.

Para ouvir a entrevista completa, clique no ícone "Ouvir."
 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.