Acessar o conteúdo principal

Le Figaro propõe um passeio pela vanguardista São Paulo

Capa do suplemento Le Figaro et vous deste sábado (3).
Capa do suplemento Le Figaro et vous deste sábado (3).

A escalada da violência na Ucrânia que aumenta o clima de guerra no país está estampada nas primeiras páginas dos jornais franceses deste sábado (3). O Brasil também está em destaque hoje. O suplemento cultural do Le Figaro do final de semana é inteirinho dedicado a São Paulo, à moda, atrações turísticas, literatura e arte da capital econômica brasileira.

Publicidade

Le Figaro aproveita o fim da Fashion Week em São Paulo para dedicar seu suplemento cultural do final de semana à capital paulista e à cultura brasileira. O jornal encontrou e entrevistou a nova geração de estilistas brasileiros, como Pedro Lourenço, Lilly Sarti, Alexandre Herchcovitch, Vanessa Montoro ou Osklen, e afirma que no Brasil a moda é um “eterno vir a ser”.

Megalópole vanguardista

O suplemento destaca ainda a noite paulista, que oferece um número de restaurantes, bares e boates como poucas cidades no mundo. "Encontro com a cidade do excesso", é o título da reportagem principal que propõe um passeio pela megalópole vanguardista que vai sediar o jogo de abertura da Copa do Mundo de Futebol, no próximo dia 12 de junho.

Le Figaro antecipa e informa que a 31ª Bienal de São Paulo, que acontece em setembro, fará um convite à viagem pela arte. O evento paulista, que reúne artistas plásticos, arquitetos, companhias de teatro, coreógrafos e sociólogos, é considerado imperdível pelo diário.

O suplemento traz ainda uma entrevista com o jornalista e escritor Edney Silvestre, que acaba de ter seu segundo romance "A felicidade é fácil", traduzido para o francês. Edney revela ao Le Figaro que o Brasil também tem seus Hemingway, Faulkner e Fitzgerald. Ele compara Milton Hatoun, Luiz Ruffato e Alberto Mussa, aos monstros da literatura americana do início do século 20.

Aumento da tensão na Ucrânia

A chegada dos confrontos entre pró-russos e as forças de Kiev a Odessa, no sul da Ucrânia, preocupa Le Monde. O vespertino informa que Moscou denunciou uma "irresponsabilidade criminosa", depois da morte de 37 pessoas, principalmente ativistas pró-russos em um incêndio, ontem na cidade.

O governo de Odessa rejeitou a responsabilidade pelo drama. Mas este é o incidente mais violento ocorrido no país desde o dia 20 de fevereiro, quando manifestantes pró-europeus foram mortos a tiros em Kiev. Este fato provocou a queda do presidente Viktor Yanukovitch. Le Monde teme a reação russa ainda mais que a onda de violência em Odessa coincide com o início da operação ucraniana para retomar a cidade separatista Slaviansk, no leste do país.

À beira de uma guerra

Para Le Figaro e Libération não há dúvida, a "Ucrânia está à beira de uma guerra". E por enquanto quem sai perdendo é Kiev. O conservador Le Figaro diz que esta é a terceira tentativa das forças ucranianas, em duas semanas, para retomar a cidade dos separatistas, mas a reconquista é difícil e as tropas de Kiev sofreram ontem perdas importantes.

Aujourd'hui en France também se pergunta se esse conflito na porta da Europa não atingiu o ponto onde é quase impossível evitar um confronto geral na Ucrânia.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.