Acessar o conteúdo principal
22 a 25 de Maio

Eleições europeias vão levar 751 deputados ao Parlamento Europeu

Plenário do Parlamento Europeu em Estrasburgo, no leste da França.
Plenário do Parlamento Europeu em Estrasburgo, no leste da França. REUTERS/Vincent Kessler

Cerca de 380 milhões de eleitores dos 28 países da União Europeia (UE) vão eleger de 22 a 25 de maio o novo Parlamento Europeu. Estas eleições são particularmente importantes no momento em que o bloco busca superar a mais grave crise econômica ocorrida no continente desde os anos 30. Temas como a imigração e o tratado de livre comércio em negociação com os Estados Unidos estão no centro da campanha.

Publicidade

Os 751 deputados eleitos terão mandato de cinco anos. Eles deverão definir novas orientações políticas para fortalecer o bloco diante da concorrência global e dos problemas de segurança internacional, mas as sessões parlamentares prometem ser agitadas pelo aumento de deputados "eurocéticos" e de extrema-direita na nova assembleia.

Surfando nas consequências da crise financeira de 2009, que endividou os Estados e levou milhares de europeus ao desemprego, candidatos nacionalistas e xenófobos ganharam simpatizantes na maioria dos países com um discurso antieuropeu. A maior parte deles defende o fim do euro, o retorno às moedas nacionais, a saída da União Europeia e medidas anti-imigração. 

Os extremistas de direita alegam que a União Europeia "confiscou" a soberania dos governos nas decisões de interesse nacional, sendo responsável pelo declínio da Europa. Também criticam o funcionamento tecnocrático do bloco, distante do povo.

Os programas de austeridade impostos pela troika (FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu) às economias mais frágeis do bloco agravaram a percepção que a União Europeia não foi capaz de proteger os europeus da crise. Muitos eleitores, decepcionados com a constatação que tanto políticos de direita quanto de esquerda defenderam as mesmas medidas antissociais, desta vez prometem fazer uma escolha radical nas urnas.

As pesquisas indicam que os partidos "eurocéticos" e de extrema-direita poderão eleger até 177 deputados no novo Parlamento Europeu, contra 117 atualmente, de acordo com a mais recente sondagem Pollwatch 2014. Eles podem ficar em primeiro ou segundo lugares na votação no Reino Unido, na França, Holanda, Dinamarca, Finlândia, Áustria, Hungria, Itália, entre outros países. 

Rumo a um novo recorde de abstenção

A partir de quinta-feira, as eleições para o Parlamento Europeu vão se estender por quatro dias nos 28 países do bloco. Os eleitores ingleses e holandeses estarão entre os primeiros a votar, no dia 22. Irlanda e República Tcheca vão às urnas no dia 23; Letônia e Eslováquia no dia 24; Alemanha, França e Itália votam no dia 25. Os resultados só serão divulgados após o fechamento das últimas seções eleitorais, na Itália, às 23h do domingo, 18h em Brasília.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.