Acessar o conteúdo principal
Fato em Foco

Manifestações em todo o mundo pedem a paz na Faixa de Gaza

Áudio 05:22
6000 pessoas manifestaram em Lyon contra os ataques de Israel à Faixa de Gaza neste sábado, 12 de julho.
6000 pessoas manifestaram em Lyon contra os ataques de Israel à Faixa de Gaza neste sábado, 12 de julho. Facebook/ Coletivo 69

As discussões sobre o conflito entre israelenses e palestinos, que deixou cerca de 200 mortos e 1.300 feridos em apenas uma semana, saíram do plano diplomático e vem mobilizando a opinião pública de forma inédita. Em grandes cidades do mundo ocidental, como Los Angeles, Nova York, Sydney, Londres e Paris, manifestações reuniram milhares de defensores da paz na Faixa de Gaza. As redes sociais também foram invadidas por debates sobre a questão da paz na Faixa de Gaza.

Publicidade

O Brasil participa da mobilização com vários atos previstos em diversas cidades esta semana, entre elas, Campinas, São Paulo, Brasília, Porto Alegre, entre outras. Na capital paulista, o Movimento Palestina para Todos realizou ontem uma vigília na Praça Cinquentenário de Israel. Um grande ato unificado, planejado por dezenas de organizações, também está programado para o próximo sábado (19) em São Paulo.

Um dos organizadores da manifestação de ontem em São Paulo, Hasan Varis, acredita que a sociedade civil foi sensibilizada pela questão palestina. “Acho que chegamos em um momento em que o mundo quer dar um basta nesta situação. Acredito que isso se deve ao acúmulo de ofensivas de Israel: a cada três, quatro anos, os israelenses atacam os palestinos”, explica.

A coordenadora da Frente em Defesa do Povo Palestino, Soraya Misleh, é uma das organizadoras do grande ato unificado de sábado em São Paulo. Para ela, a continuidade deste movimento é essencial. “A mobilização está crescendo cada vez mais, mas essa solidariedade internacional precisa ser contínua, já que o que acontece este momento em Gaza não é uma situação isolada; os palestinos sofrem com essa situação há 66 anos”, analisa.

Apoio nas redes sociais

Nas redes sociais, o apoio aos palestinos também é intenso. Centenas de grupos de solidariedade foram criados em várias línguas no Facebook. Já no Twitter, as hashtags #HelpGaza estão entre as mais utilizadas no microblog.

A mestranda em Estudos Árabes e Judaicos do Departamento de Letras Orientais da USP, Luciana Garcia, acredita que as novas tecnologias facilitam a mobilização. “Hoje é muito difícil esconder violações de direitos humanos. As novas tecnologias, a internet e os telefones celulares também contribuem para esses flagrantes de irregularidades na Faixa de Gaza e na Cisjordânia”, sinaliza.

América Latina condena a ofensiva

No plano político, países da América Latina vem condenando a ofensiva de Israel na Faixa de Gaza. O México criticou o uso da força e a operação militar israelense. O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, também classificou a ofensiva de “guerra de exterminação” do povo palestino.

O presidente Evo Morales adotou o mesmo tom e pediu que as Nações Unidas abram um processo de “crime contra a humanidade”. Já o Uruguai condenou a “resposta desproporcional” dos israelenses aos ataques da organização Hamas, enquanto o Equador pediu “o fim imediato das hostilidades”.

Apoio dos Estados Unidos e da União Europeia

O cientista político da USP especializado no conflito israelo-palestino, Samuel Feldberg, lembra, no entanto, que Israel conta com o importante apoio dos Estados Unidos e da União Europeia. “Isso deriva da origem desta nova etapa do conflito, que foi o sequestro dos três jovens israelenses na Cisjordânia. Então, a comunidade internacional reconhece que essa onda de violência tem origem em ato ilícito de uma organização terrorista”, aponta.

Para ele, o maior empecilho no processo de negociação de paz e a tentativa de cessar-fogo desta terça-feira (15) entre israelenses e palestinos foi o desequilíbrio das propostas feitas pelo Egito, que atua como mediador entre as duas partes. “Enquanto o cessar-fogo proposto pelo Egito atende às necessidade e aos interesses de uma boa parte de Israel, nenhum dos itens da trégua atendia às exigências que o Hamas vem fazendo”, ressalta.

De acordo com Feldberg, há dois possíveis cenários para o conflito na Faixa de Gaza neste momento: a continuação dos ataques entre os dois lados no mesmo ritmo atual ou uma escalada de violência, caso Israel resolva colocar em ação 40 mil soldados em uma ofensiva terrestre.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.