Acessar o conteúdo principal
Linha Direta

Novo pacote de sanções europeias inclui setor petrolífero russo

Áudio 04:50
As novas sanções econômicas da União Europeia (UE) contra a Rússia foram adotadas nesta quinta-feira.
As novas sanções econômicas da União Europeia (UE) contra a Rússia foram adotadas nesta quinta-feira. REUTERS/Sergei Karpukhin

Embaixadores da União Europeia decidiram impor mais uma rodada de sanções à Rússia, em resposta à crise na Ucrânia. O novo pacote prevê restrições econômicas e, pela primeira vez, inclui medidas contra o setor petrolífero, de importância vital para a Rússia. As sanções entram em vigor nesta sexta-feira (12), mas com chances de serem suspensas se houver progressos substanciais no plano de paz para a Ucrânia. Os cinco meses de conflito na Ucrânia já mataram mais de 3 mil pessoas.

Publicidade

De acordo com as novas sanções, europeus ou empresas europeias não poderão mais financiar companhias petrolíferas com menos de 50% de controle do Estado russo, com faturamento de 31 bilhões de euros e que obtenham a metade de sua receita com venda de óleo cru. Ou seja, as três maiores empresas de petróleo da Rússia, a Gazprom, a Rosneft e a Transneft, se enquadram nessa categoria.

Com o novo pacote, as empresas europeias ficam também proibidas de participar de consórcios de crédito para as companhias russas. Além disso, os europeus não poderão mais dar empréstimos a cinco grandes bancos estatais da Rússia. A União Europeia também vai acrescentar 24 nomes à lista de pessoas proibidas de entrar em território europeu e cujos bens, no bloco, serão congelados.

Se houver progressos substanciais do plano de paz no leste da Ucrânia, há chances reais dessas sanções serem suspensas. A dificuldade do bloco europeu em conseguir encontrar um consenso foi justamente para avaliar o andamento desse cessar-fogo entre o governo ucraniano e separatistas pró-Rússia . A decisão foi adiada por quase duas semanas. A chanceler alemã Angela Merkel, que desde o início apoiou a aplicação imediata das novas medidas punitivas, disse que será a primeira a recomendar a suspensão das sanções caso o plano de paz para a Ucrânia for implementado.

Outros aliados ocidentais, como Canadá, Austrália, Noruega e Estados Unidos, também anunciam, hoje, novas sanções contra Moscou. Essas medidas afetam diretamente os exportadores europeus para o mercado russo.

Retaliações

A Rússia advertiu que prepara novas retaliações às sanções europeias. Moscou ameaça suspender a importação de carros europeus, principalmente usados, alguns tipos de produtos têxteis, além de proibir que companhias aéreas europeias sobrevoem o espaço aéreo russo. 

Em uma retaliação anterior, a Rússia havia proibido a importação de produtos alimentícios da Europa durante um ano. No ano passado, a Europa vendeu quase 2 bilhões de euros em frutas e legumes aos russos. A perda desse mercado representa cerca de 6% da produção na União Europeia. A retaliação da Rússia deve custar anualmente à Europa quase 5 bilhões de euros devido à produção perdida.

Gás

Os europeus monitoram a delicada questão do fornecimento de gás russo. A Polônia e a Eslováquia afirmaram que o abastecimento de gás vindo da Rússia diminuiu. No início da semana, o governo polonês informou que o volume caiu 20%, e logo após o anúncio de imposição de novas sanções, o percentual abaixou para 45%. O corte na Eslováquia foi menor, de 8% aumentou para 10%.

A retaliação de Moscou foi causada pela chamada “entrega reversa” de gás natural para a Ucrânia que os dois países, além da Hungria, começaram a fazer após o boicote russo. Devido ao conflito no leste da Ucrânia, a Rússia interrompeu o fornecimento de gás para a Ucrânia, em junho.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.