Acessar o conteúdo principal
Facebook

Facebook atualiza regras para posts a fim de evitar abusos e extremismos

Facebook tenta enquadrar o comportamento dos usuários às regras de combate ao extremismo e a comportamentos abusivos.
Facebook tenta enquadrar o comportamento dos usuários às regras de combate ao extremismo e a comportamentos abusivos. Pixabay

Nesta segunda-feira (16), a rede social Facebook atualizou e esclareceu aos usuários as novas regras sobre o que é conveniente postar e como tratar assuntos sensíveis como violência, incitação ao ódio e apologia do terrorismo.

Publicidade

Em primeiro lugar, Facebook comunicou que não autoriza mais em sua plataforma a presença de grupos que fazem a apologia "de atividades terroristas, organizações criminosas ou que estimulem o ódio".

Segundo as novas diretrizes colocadas on line no blog oficial da rede, serão retiradas as imagens de compartilhamento de temas ligados ao sadismo ou glorificação da violência.

Monika Bickert, conselheira adjunta do grupo, declarou que essas normas foram concebidas para a criação de um espaço onde as pessoas possam se sentir motivadas e encorajadas a tratar os outros com empatia e respeito. "Enquanto a nossa política e nossas regras não mudaram, sentimos a demanda dos usuários por mais clareza e exemplos, e é o que estamos fazendo com a atualização de hoje".

Basta à nudez

Uma grande novidade nesta busca de mais ética é a proibição da nudez no Facebook, exceto se as imagens forem ligadas ao aleitamento, à arte ou a estudos médicos.

Os usuários também deverão usar o seu nome verdadeiro, uma exigência polêmica que certamente vai desagradar aos que utilizam apelidos na rede.

Numa tentativa de criar normas que correspondam às exigências de uma comunidade internacional e diversificada, Facebook se reserva o direito de apagar conteúdos e fechar as conta consideradas "uma ameaça física ou um risco direto para a segurança pública".

Todas essas medidas também têm uma certa flexibilidade, pois algo que possa parecer desagradável para alguns não é, necessariamente, contra a ética do grupo.

Difícil equilíbrio entre liberdade e radicalismo

O esclarecimento da política editorial do Facebook ocorre em um contexto onde as redes sociais tentam equilibrar a liberdade de expressão e a luta contra os discursos radicais, especialmente os que fazem a apologia dos jihadistas como o grupo Estado Islâmico, por exemplo.

Facebook também publicou seu relatório sobre os pedidos dos governos referentes aos dados dos seus usuários no segundo semestre de 2014; houve uma alta em matéria de pedidos de dados de cidadãos vindos da Índia, e uma baixa relativa aos usuários dos Estados Unidos e Alemanha.

O número de conteúdos bloqueados por infringir a lei americana aumentou 11%, passando de 8.774 casos a 9.707.
 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.