Acessar o conteúdo principal
Imprensa

Seleção brasileira “não faz mais ninguém sonhar”, diz L’Equipe

Capa do jornal L'Equipe desta quinta-feira, 26 de março de 2015.
Capa do jornal L'Equipe desta quinta-feira, 26 de março de 2015. lequipe.fr

Em reportagem desta quinta-feira (26), o jornal esportivo francês L'Equipe afirma que a seleção brasileira perdeu a aura de magia no futebol. Para os outros jornais, o duelo entre Brasil e França hoje à noite é um “encontro de gala”.

Publicidade

O jornal L’Equipe admite que tem certa "má intenção" ao escrever o texto sobre o time do Brasil, mas dá alguns motivos para provar que o futebol brasileiro perdeu, de fato, a sua magia. E o primeiro deles é a escassez de craques. “Pelé, Zico, Ronaldo, Romário, Rivaldo, Ronaldinho ou ainda Kaká… A lista é longa! Mas quem, além de Neymar da Silva Santos Junior, pode hoje querer ser uma estrela dessa equipe? Mesmo o ex-capitão, Thiago Silva (PSG), que já foi considerado o melhor zagueiro do mundo, não é mais titular”, escreve o diário esportivo.

A falta de títulos importantes também aponta para essa decadência do futebol brasileiro. “Vencedores contra a Alemanha na final da Copa de 2002, graças a dois gols de Ronaldo, os brasileiros fracassaram sucessivamente nas Copas seguintes, sendo eliminados nas quartas de final (2006 e 2010) e na semifinal (2014)”, lembra L’Equipe, que, obviamente, destaca a humilhação sofrida pela seleção brasileira diante da Alemanha no ano passado –jogando em casa.

E, numa provocação suprema, o jornal escreve que a seleção não faz mais ninguém sonhar porque Messi não é brasileiro. Infelizmente, ele não “nasceu do lado bom da fronteira [entre o Brasil e a Argentina].

 Partida de gala

"Uma partida seis estrelas", "uma partida de gala". Assim o jornal Le Figaro define o jogo entre o Brasil e a França hoje à noite. Esse será o primeiro jogo da seleção da França após 4 meses de pausa e os jogadores franceses não parecem estar dispostos a ver essa partida como um simples jogo amistoso.

O objetivo do técnico Didier Deschamps é o de consolidar a boa fase da equipe francesa e de prepará-la para o grande desafio da seleção francesa: a Euro 2016 que vai ser sediada pela França no ano que vem.
E, para enfrentar o Brasil, o adversário preferido dos “bleus”, os franceses apostam numa nova geração de jogadores que pode surpreender a equipe de Dunga.

França conta com um histórico bem favorável nas disputas contra o Brasil

A imprensa sempre lembra a famosa final de 98 na qual a França ganhou do Brasil por 3 a 0. Até hoje, esse é o maior momento do futebol francês e é sempre lembrado com muita alegria. O jornal Le Figaro lembra que, nas últimas 7 partidas contra o Brasil, a França ganhou 4 vezes, empatou duas vezes e perdeu só uma vez para a seleção canarinho.

Já o jornal Libération destaca o retrospecto da equipe francesa na última temporada. Ao total, foram 4 vitórias em jogos amistosos, 2 empates e nenhuma derrota. O jornal também fala de uma outra novidade em campo hoje à noite: o meia Nabil Fekir. O jogador é talentoso, mas também se envolveu em uma polêmica. Com dupla cidadania argelina e francesa, ele hesitou antes de escolher por qual seleção gostaria de jogar. Mas, nas suas declarações mais recentes, ele afirma que a escolha pela equipe francesa é definitiva.

Falando do Brasil, o Libération não poderia, é claro, de deixar de mencionar a trágica goleada da semifinal da Copa quando o Brasil perdeu de 7 a 1 para a Alemanha. Para o jornal, a seleção ainda está marcada por esse resultado. O jornal também dá uma outra leve alfinetada. O Brasil ocupa, hoje, o6° lugar no ranking da Fifa. E a França está bem pertinho em 8°.

 

 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.