Acessar o conteúdo principal

Em plena COP 21, poluição na China entra em alerta máximo

Uma mulher se protege com o cachecol enquanto anda pela Praça de Tiananmen por causa da forte poluição em Pequim, em 1° dezembro de 2015.
Uma mulher se protege com o cachecol enquanto anda pela Praça de Tiananmen por causa da forte poluição em Pequim, em 1° dezembro de 2015. AFP PHOTO / WANG ZHAO

Nesta segunda-feira (7), pela primeira vez a cidade de Pequim entrou em alerta vermelho por causa da poluição atmosférica. 

Publicidade

Medidas de emergência foram tomadas diante do chamado "airpocalipse", que ameaça a capital do maior poluidor de gases de efeito estufa do planeta. Nos últimos dias, uma nuvem sufocante de poluição atingiu o norte da China. O governo atribui o fato às fumaças dos motores dos veículos, mas o grande consumo de carvão com a proximidade do inverno também é responsável.

O alerta à poluição vai provocar uma série de restrições para os 21 milhões de habitantes de Pequim, entre terça (8) e quinta-feira (10).

Medidas

A primeira iniciativa para conter a poluição vai ser o rodízio, de acordo com o número - par ou ímpar- das placas. Todos os veículos, particulares e oficiais, terão que seguir a regra, com exceção dos carros elétricos. Em um esforço suplementar, as autoridades locais também anunciaram a retirada temporária de 30% de seus veículos.

Em compensação, 200 ônibus suplementaires, a maioria elétricos e híbridos, estarão nas ruas para servir a população. As obras urbanas serão interrompidas e os caminhões para recolher restos de materiais não poderão circular.

Mortes prematuras

As escolas foram intimadas a suspender as aulas,mas a medida não é obrigatória. Na véspera, os colégios de Pequim já haviam suspendido as atividades no exterior.

A poluição do ar nas grandes cidades chinesas é um fenômeno permanente e uma das principais fontes de insatisfação da população, sendo igualmente apontada como causa de milhares de mortes prematuras.

Poluição

A Organização Mundial de Saúde recomenda um patamar médio de 25 microgramas de micropartículas por metro cúbico para cada 24 horas. Em Pequim, a densidade de partículas de 2,5 PM de diâmetro atingiu mais de 600 microgramas por metro cúbico, segundo os níveis de referência medidos pela embaixada americana na cidade.

Este cenário causou o alerta vermelho, deslanchado quando uma poluição muito forte dura três dias seguidos.

Na COP 21, pressionada, a China anunciou na semana passada a intenção de reduzir 60% de detritos dos principais poluentes de suas centrais de carvão até 2020, através da modernização de suas infraestruturas.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.