Acessar o conteúdo principal

Artista cabo-verdiano boicota cúpula da CPLP em protesto contra presença de Temer e de ditador da Guiné Equatorial

Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), reunido ordinariamente em Santa Maria, na Ilha do Sal, no dia 16 de julho de 2018
Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), reunido ordinariamente em Santa Maria, na Ilha do Sal, no dia 16 de julho de 2018 cplp.org

A 12ª Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) acontece nesta segunda (17) e terça-feira (18) na Ilha do Sal, em Cabo Verde. Mas a participação de certas autoridades, como o presidente brasileiro Michel Temer e o líder da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, gerou protestos por parte do artista cabo-verdiano Tchalê Figueira, que recusou o convite para participar do evento.

Publicidade

Com informações de Cristiana Soares, enviada especial da RFI ao Cabo Verde

“O Ministério da Cultura de Cabo Verde me mandou um convite para participar de uma exposição coletiva. Eu não sou hipócrita, não faço essas coisas, eu sei que na Guiné Equatorial existe uma ditadura. Essa é minha posição como cidadão do Cabo Verde e do mundo”, disse Tchalê Figueira à RFI. O ditador Teodoro Obianda está no poder desde 1979.

O artista plástico também se posicionou contra a crise brasileira e o que chama de “prisão política” do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Também por aquilo que se passa no Brasil, não estou nada contente com tudo o que fizeram com Lula, como se fosse um preso político. Quer dizer que o Brasil não é um país de liberdade e eu, como artista, defendo esses valores. Como artista, essa é minha visão”, afirma.

Tchalê Figueira é um renomado artista plástico, músico, escritor e poeta do Cabo Verde. Autor de obras como “Todos os naufrágios do Mundo” e “Onde os sentimentos se encontram”, ele foi convidado para montar uma exposição coletiva na cúpula da CPLP.

Brasil vai transferir presidência para Cabo Verde

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes Ferrreira, também participa da cúpula, que deve reunir representantes de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

O presidente Michel Temer vai transferir oficialmente a presidência brasileira da CPLP para Cabo Verde. A previsão é de que ele chegue à Ilha do Sal nesta segunda-feira (17) para participar da cúpula e, em seguida, de um jantar às 20h, servido pelo presidente do Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca.
O mandato do Brasil começou em 1º de novembro de 2016, com o tema "A CPLP e a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável". Para 2018, a pauta escolhida foi a “Segurança Alimentar”.

"Importa salientar os avanços conseguidos desde 2011, entre os quais a criação, em diversos dos nossos estados-membros, dos conselhos nacionais de segurança nutricional e alimentar. Importa também saudar a aprovação das diretrizes de apoio à agricultuta familiar nos estados-membros", afirmou a diretora-geral da CPLP, a economista Georgine Benrós de Mello.

 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.